Províncias

INADEC sem técnicos para exercer actividade

Cláudia Muhatili | Menongue

A falta de técnicos e de meios de transportes está a dificultar as actividades do Instituto Nacional de Defesa do Consumidor (INADEC), nos municípios do Cuchi, Mavinga, Cuito Cuanavale, Dirico, Calai, Cuangar, Rivungo e Nancova, na província do Kuando-Kubango.

O director do instituto, Manuel Mateus, explicou que devido a estas limitações, o INADEC apenas consegue desenvolver a sua actividade em Menongue, onde de Janeiro a 15 de Novembro registou 96 infracções diversas, das quais 48 dolosas, penalisadas com multas e seis apreensões.
Comparado a igual período anterior, houve uma redução das infracções cometidas, fruto do trabalho de sensibilização que tem sido feito junto de alguns agentes económicos, comerciantes e vendedores ambulantes, sobre os perigos que pode acarretar a venda de produtos deteriorados, fora do prazo de validade ou a especulação de preços.
Em vésperas da quadra festiva, o INADEC, a Polícia Económica e outras entidades afins, estão a fiscalizar a entrada de mercadorias na província, de modo a evitar que a população compre produtos fora do prazo. Para o efeito, foi criada uma brigada mista integrada por elementos da Polícia Económica, Inspecção da Saúde e do INADEC, que vai passar a pente fino todos os estabelecimentos comerciais grossistas e de venda a retalho, para avaliar como estão armazenadas as mercadorias, mercado de aquisição, rótulo dos produtos e higiene do estabelecimento.

Tempo

Multimédia