Províncias

Inaugurada ponte do rio Kwebe

Carlos Paulino | Menongue

Uma ponte metálica com 70 metros de comprimento e quatro de largura, com capacidade para suportar 60 toneladas, erguida sobre o rio Kwebe, no Kuando-Kubango, vai permitir melhorar a ligação entre a cidade de Menongue e a comuna de Missombo.

Construção da ponte vai permitir ao Governo levar os principais bens e serviços à população
Fotografia: Nicolau Vasco | Menongue

Inaugurada pelo governador Higino Carneiro, a ponte vai ligar também a sede comunal do Missombo às cinco aldeias vizinhas da outra margem do rio Kwebe, onde residem mais de 1.248 famílias que anteriormente faziam a travessia do rio, recorrendo a bóias e outros meios rudimentares, sendo muitas vezes atacadas por jacarés.  A ponte foi construída num mês e meio. 
O administrador comunal do Missombo, Francisco Muachambe, disse que a construção da ponte representa uma mais-valia para a localidade, por permitir a circulação, em segurança, de pessoas e bens.
“Ficaram para atrás os riscos para as populações residentes na margem esquerda do rio kwebe, na travessia com a utilização de meios rudimentares”, sublinhou. 
Francisco Muachambe recordou que a construção da ponte vai permitir ao governo levar os principais bens e serviços às populações.  Com a ponte, disse, a comuna do Missombo vai conhecer brevemente grandes melhorias, sobretudo nas aldeias da outra margem do rio Kwebe que até ao memento não possuem nenhum serviço da administração do Estado.  Além dos serviços administrativos, o responsável municipal reconheceu que com a ponte é possível retomar o processo de realojamento das populações e o fomento do sector agro-pecuário. O soba da aldeia Luenja, da outra margem do rio Kwebe, Luciano Ndala, disse que a ponte veio colmatar uma das principais dificuldades da comuna e recordou que dois dos seus filhos já foram atacados por jacarés.
“Não contávamos com a construção tão rápida desta ponte. Agora é importante que o governo construa postos de saúde e escolas para permitir com que as crianças tenham acesso ao ensino”, disse.

Tempo

Multimédia