Províncias

Juventude da província aconselhada a ser criativa

Weza Pascoal | Menongue

Os jovens da província do Cuando Cubango foram exortados a aumentar o espírito de criatividade e empreendedorismo, em Menongue, por António Isaac, membro do comité provincial do MPLA.

Palestra juntou estudantes universitários
Fotografia: Nicolau Vasco | Menongue

O político falava  numa palestra sobre “O Papel dos Estudantes Universitários na Consolidação da Paz e Desenvolvimento do País”, dirigida aos alunos e professores do Instituto Superior de Ciências de Saúde (ISCISA), afecta à Universidade Cuito Cuanavale.
Na palestra, enquadrada nas Jornadas Abril Jovem, António Isaac realçou que frente à crise que o país enfrenta, os jovens devem desenvolver actividades que ajudem o Governo a dar respostas aos problemas actuais, contribuindo para o programa de diversificação da economia nacional.
António Isaac reiterou que a juventude é o maior factor de desenvolvimento do país, dai que devem engajar-se de forma activa nos estudos, para que possam dar o seu contributo ao progresso da região, melhorar a sua qualidade de vida e o futuro das novas gerações.
António Isaac referiu que os jovens devem conhecer detalhadamente a história de Angola, as lutas, evolução política, económica e social, para terem consciência da alta responsabilidade que têm para com a pátria e o seu futuro. “Os jovens, como a força motriz de qualquer sociedade, devem ser os primeiros a garantir a consolidação da paz, o desenvolvimento do país e constituir a mola impulsionadora das mudanças em curso”.
António Isaac avançou que os jovens devem promover a continuidade do Plano Nacional de Desenvolvimento em curso, que está a melhorar a vida dos cidadãos e a reduzir a fome e a pobreza, embora em tempo de crise económica e financeira.
Perante este quadro, António Isaac disse que a juventude precisa saber que, à exemplo do passado, o país está nas suas mãos, por isso, devem ser suficientemente humildes para reconhecer o valor dos mais velhos que se sacrificaram pela pátria.
“A consolidação da paz exigiu e continua a exigir enormes esforços da juventude. Por este motivo, apelou aos jovens a engajarem mais aos estudos, tendo em conta que a  formação é o garante do desenvolvimento e crescimento económico”, disse António Isaac.

Tempo

Multimédia