Províncias

Khoisans recebem mais apoio

Carlos Paulino | Menongue

Membros da comunidade khoisan, instalados na localidade do Ndumbo, na província do Cuando Cubango, beneficiaram, ontem, de quatro toneladas de sal iodizado e de 20 caixas de peixe seco, numa acção da empresa Ango-Sal, Captura e Transformação de Pescado do Namibe.

A ajuda vai suprir algumas dificuldades alimentares que os membros da comunidade khoisan atravessam em consequência da estiagem
Fotografia: Nicolau Vasco | Ndumbo

O gesto do grupo empresarial é uma resposta ao apelo feito recentemente por membros da comunidade khoisan, durante um programa “Casos da Vida”, da Televisão Pública de Angola (TPA), para que entidades individuais e colectivas ajudassem a minimizar a carência em bens alimentares.
O vice-governador para o sector Económico e Produtivo do Cuando Cubango, Ernesto Kiteculo, que recebeu formalmente o donativo, enalteceu o apoio da referida empresa e sublinhou que a ajuda vai suprir algumas dificuldades alimentares que os khoisan atravessam, em consequência da estiagem.
O responsável provincial garantiu que o Governo está também a envidar esforços para proceder, nos próximos dias, à entrega de bens de primeira necessidade àquela população, que, devido ao seu modo de vida, não vive num único lugar, daí as grandes dificuldades.
Ernesto Kiteculo apelou, por este facto, a outras empresas para seguirem o exemplo da Ango-Sal, Captura e Transformação de Pescado, para que as pessoas mais vulneráveis possam ver as suas dificuldades diminuídas. O vice-governador elogiou ainda o programa da TPA, por ter levantado o problema, salientando que iniciativas semelhantes têm servido para atrair várias empresas, no sentido de apoiarem pessoas que vivem situações difíceis, com realce para a carência alimentar e doenças graves. A directora provincial da TPA, Joana Tomás, disse que a emissora televisiva vai continuar a trabalhar no sentido de criar programas que visam, principalmente, angariar apoios para as comunidades rurais, sobretudo as mais vulneráveis.
“Os jornalistas são os olhos, ouvidos e a boca da comunidade, daí que têm a preocupação de transmitir para o país e o mundo os problemas que uma determinada localidade enfrenta”. Joana Tomás salientou que, a partir da apresentação ou relato do problema pelos jornalistas, o Governo e a sociedade em geral podem estar mobilizados para prestar o devido apoio aos afectados por certos problemas e chamou atenção para o papel que joga a imprensa.

Tempo

Multimédia