Províncias

Medicina natural em debate

Lourenço Bule | Menongue

Responsáveis de várias unidades sanitárias, membros do governo, da sociedade civil, entidades tradicionais e religiosas, funcionários públicos e privados, bem como estudantes do ensino médio e superior participaram quinta-feira, na cidade de Menongue, num seminário sobre “O poder da medicina natural, para a cura de várias enfermidades”.

Vista parcial da cidade de Menongue
Fotografia: Nicolau Vasco | Edições Novembro

A acção formativa, promovida pelo Centro de Saúde Naturalista “Fórmula Perfeita Kamba” da província do Huambo, foi ministrada por dois prelectores afectos à unidade sanitária e teve como objectivo principal divulgar as vantagens do uso da medicina natural para a cura e prevenção de várias doenças.
O director clínico do Centro de Saúde Naturalista “Fórmula Perfeita Kamba”, Guilherme João Cambanje, disse que a medicina natural é a arte de curar doenças através de produtos naturais, que podem ser encontrados em qualquer província do país e não acarreta custos elevados para a população. 
Salientou que o naturalismo biológico é uma concepção científica do mundo e da vida, resultando de uma antiga ciência que inculca no homem a ideia de traçar-se uma conduta pela qual se converte num excelente amigo de toda a humanidade.
Acrescentou que a cultura naturalista conserva a saúde física, mental e moral das populações, concedendo ao homem uma liberdade individual, tornando-se no seu próprio médico, sacerdote da sua própria família e juiz da sua consciência.
De acordo com Guilherme João Cambanje, a medicina natural é bastante eficaz e fiável no tratamento de várias doenças, porque não tem efeitos secundários. Questionado sobre a existência de ervas medicinais para a cura do VIH/Sida no país, salientou que está a fazer-se um estudo e acredita-se que a breve trecho haja êxitos. Acrescentou que a planta da moringa age directamente como um retroviral natural e é usada também no tratamento de problemas gastrointestinais.
Guilherme João Cambanje referiu que o consumo de alimentos ricos em água, mormente abóbora, melancia, alface, tomate, morango, laranja, pepino e limão ajudam a hidratar o organismo e pode ser uma boa ajuda para quem não consegue consumir somente água.
O director clínico do Centro de Saúde Naturalista garantiu que seminários do género serão realizados em todo o país. A instituição, acrescentou, já promoveu este tipo de seminário nas províncias do Huambo e do Namibe, com o intuito de divulgar os benefícios do uso da medicina natural na cura de inúmeras doenças.

Tempo

Multimédia