Províncias

Menongue acolhe centro para pesquisa e estudos

Carlos Paulino | Menongue

A cidade de Menongue, na província do Cuando Cubango, conta com o primeiro centro de documentação e informação no país sobre os recursos hídricos da bacia hidrográfica do rio Cubango-Okavango, que integra Angola, Botswana e Namíbia.

Cidade vai ser procurada por quem busca informações sobre os recursos hídricos
Fotografia: Edições Novembro

O centro, instalado pela Comissão Permanente das Águas da Bacia Hidrográfica do Rio Okavango (OKACOM), no Instituto Superior Pedagógico da província do  Cuan-do Cubango, afecto à Univer-
sidade Cuito Cuanavale, vai permitir aos estudantes e ou-tros cidadãos interessados pesquisar uma gama de co-nhecimentos, numa linguagem simplificada, sobre a bacia hidrográfica do rio C­ubango-Okavango, que cobre uma área de cerca de 323.192 quilómetros quadrados.
O referido centro de documentação e informação conta com 12 computadores, instalados com sistema de internet banda larga, para facilitar aos usuários, sobretudo aos estudantes, na navegação gratuita nos websites disponibilizados para pesquisas bibliográficas, sobretudo de  trabalhos de licenciatura, mestrado e doutoramento.
O co-presidente da OKACOM na componente angolana, Carolino Mendes, disse que a abertura do centro vai reforçar a cooperação entre a OKACOM, o Gabinete para a Administração das Bacias Hidrográficas do Cunene, Cubango e Cuvelai (GABHIC) e a Universidade Cuito Cuanavale, em matérias relacionadas com a gestão transfronteiriça das águas da bacia do rio Cubango-Okavango.
Carolino Mendes salientou que o centro de documentação e informação vai facilitar sobretudo aos estudantes matriculados na Universidade Cuito Cuanavale nos cursos de biologia e gestão turística, na investigação e disseminação ampla dos resultados dos seus trabalhos relacionados com a compilação das respectivas licenciaturas, mestrados e doutoramentos.
O responsável disse que a OKACOM e GABHIC têm como objectivo envolver, cada vez mais, estabelecimentos de ensino, quadros e membros das comunidades dos locais onde a bacia está inserida, em actividades, projectos e tarefas no sentido de contribuírem para melhor gestão e conservação dos recursos hídricos ao longo do rio Cu-bango-Okavango e não só.
Fez saber que em Angola existem 46 bacias hidrográficas principais e 30 secundárias, que totalizam 76.
Sublinhou que a Universidade Cuito Cuanavale, que abrange as províncias do Cuando Cubango e do Cunene, acaba de ser o ponto de referência para se realizar estudos para o desenvolvimento, gestão e conservação das bacias hidrográficas de Angola.
Recordou que a Comissão Permanente das Águas da Bacia Hidrográfica do Rio Okavango (OKACOM) foi estabelecida no dia 15 de Se-tembro de 1994 por Angola, Botswana e Namíbia. A referida comissão tem como objectivo actuar como conselheiro técnico das partes integrantes em matérias relacionadas com a conservação, desenvolvimento e utilização dos recursos hídricos de interesse comum na bacia do Okavango.
Salientou que isto pressupõe-se a promoção de uma gestão coordenada e sustentável dos recursos hídricos da bacia e dar resposta às necessidades sociais e económicas legítimas dos Estados ribeirinhos.
Referiu que o rio Okavango é o quarto mais longo da África Austral, com um curso de 1.100 quilómetros quadrados, desde o centro de Angola, onde é designado por Cubango, atravessa a Na-míbia até ao Delta do Okavango, no Botswana.
O reitor da Universidade Cuito Cuanavale, Miranda Lopes, disse que a sua instituição sente-se honrada por albergar o centro de documentação e informação sobre os recursos hídricos da bacia hidrográfica do rio Cubango-Okavango, tendo em vista que vai potenciar a difusão do conhecimento, alavancando a investigação científica de todos os cidadãos que procurarem este serviço.
O vice-governador da província do Cuando Cubango para o sector Técnico e Infra-estruturas, Bento Xavier, pediu aos responsáveis da Universidade Cuito Cuanavale e aos estudantes da região no sentido de conservarem bem o centro de documentação e informação, principalmente os meios informáticos disponíveis, para que o mesmo possa cumprir os objectivos para o qual foi criado.
Realçou que muitos cidadãos não têm a noção do valor da bacia hidrográfica do rio Cubango-Okavango e é a partir deste centro que cada um vai conseguir perceber a grande importância que a mesma tem para os habitantes de Angola, Botswana e Namíbia.

Tempo

Multimédia