Províncias

Novas escolas abrem no Cuando Cubango

Carlos Paulino | Menongue

O sector da Educação na província do Cuando Cubango vai ganhar, a partir do próximo dia 11 e até ao início do ano lectivo de 2015, mais 28 escolas devidamente apetrechadas, no quadro das festividades do 39.º aniversário da Independência Nacional.

Projecto do Governo tem também como objectivo fazer com que as crianças da região deixem de estudar em locais imprórios
Fotografia: Carlos Paulino | Menongue

O anúncio foi feito ontem, na cidade de Menongue, pelo director Provincial da Educação, Ciências e Tecnologia, Miguel Kanhime “Kazavubu”. "Os empreendimentos correspondem a 114 salas de aulas e vão permitir que centenas de alunos deixem de estudar em condições precárias."
Miguel Kanhime “Kazavubu” explicou que das 28 escolas previstas para serem inauguradas, a capital da província, Menongue, vai contar com 12. Desde o princípio deste ano lectivo, acrescentou, a província ganhou cerca de 60 novas escolas
“Apesar destes ganhos, a província necessita de mais escolas para dar maior dignidade ao processo de ensino e aprendizagem”, disse, acrescentando que a edificação de mais estabelecimentos de ensino visa eliminar as infra-estruturas precárias e inserir as cerca de 20.000 crianças que se encontram fora do sistema de ensino.
Miguel Kanhime informou que  a instituição que dirige controla 223 escolas, com 1.150 salas, com aulas asseguradas por 5.166 professores. "Os ganhos no sector da Educação a nível da província do Cuando Cubango são inumeráveis, o que falta é a realização de um concurso público para o ingresso de mais professores, tendo em vista que actualmente o número é insuficiente para assegurar as escolas existentes e que vão ser inauguradas", disse o director.
Miguel Kanhime “Kazavubu” referiu o lançamento no mercado de trabalho dos primeiros 14 estudantes licenciados em Biologia pela Escola Superior Politécnica de Menongue, afecta à Universidade Mandume Ya Ndemufayo, como um dos principais ganhos da província do Cuando Cubango desde a conquista da Independência Nacional.
O director Miguel Kanhime defendeu a necessidade de se incrementarem na Escola Superior Politécnica de Menongue os cursos de Agronomia, Engenharias, Psicologia, Direito, Economia e Pedagogia, entre outros, tendo em vista que a referida instituição académica forma apenas estudantes nas especialidades de Biologia, Matemática, Enfermagem, Gestão de Informática Empresarial e Turismo.
“Precisamos de jovens formados em diversas áreas do saber pois o Cuando Cubango é um gigante adormecido que tem muitas riquezas e poucos quadros para o seu desenvolvimento socioeconómico”, acrescentou o director da Educação.

Reforma educativa

Miguel Kanhime apontou ainda a implementação da reforma educativa no país como outro ganho da conquista da Independência Nacional no sector da Educação, pois tem alcançado níveis satisfatórios O director Provincial da Educação, Ciências e Tecnologia salientou que no princípio a instituição que dirige teve muitos problemas, mas depois de muitas formações os professores compreenderam que a reforma educativa é a melhor via a seguir para o melhoramento do processo de ensino. Miguel Kanhime  destacou que uma das vantagens da reforma educativa é  permitir ter mais professores, porque anteriormente numa turma da 5.ª classe eram necessários muitos docentes e hoje   só é preciso um, que faz a cobertura de todas as disciplinas.

Tempo

Multimédia