Províncias

Os Khoisan e a Agricultura

Lourenço Bule | Menongue

A prática da agricultura está a ganhar corpo na vida dos  khoisan das localidades de Jamba Cueio, Mucundi, Ntopa, Cuatir e Mbundo, após um grupo de 1.200 pessoas terem sido integrados em projectos agrícolas naquelas comunidades de Menongue, disse, sexta-feira, em Menongue,

Tentar integrar no meio agrícola é a iniciativa de uma organização não governamental
Fotografia: Francisco Bule

 o director-geral da Missão de Beneficência Agropecuária do Kubango, Inclusão, Tecnologia e Ambiente (Mbakita).Pascoal Baptistiny disse  que o objectivo do programa é contribuir para a melhoria da dieta alimentar e da qualidade de vida dos  khoisan e adiantou que os beneficiários receberam instrumentos e inputs agrícolas, para a prática da agricultura, visando a sua integração em actividades produtivas, com objectivo de garantir a sua segurança alimentar.
A nível do Cuando Cubango existem cerca de 15 mil pessoas da comunidade khoisan, dos quais 1.200 foram integrados em projectos sociais, devido à escassez de fundos, impedindo que várias comunidades sejam beneficiadas, explicou Pascoal Baptistiny que acrescentou que o número acima referido pode aumentar, nos próximos tempos, caso haja mais apoios por parte do Executivo e de outras instituições afins.
Pascoal Baptistiny referiu que o projecto a nível do Cuando Cubango começou em 2011, com o apoio da Open Society, tendo sido identificadas zonas com terras aráveis e propícias para o assentamento das comunidades sans.
“As comunidades khoisan, na sua condição de nómadas, para se alimentarem recorrem à prática da caça, recolha de frutos silvestres e à pesca artesanal, situação que tem-lhes criado imensos transtornos, devido à escassez de meios de sobrevivência”, disse Pascoal Baptistiny, que acrescentou que, para colmatar esta situação, é necessário a aplicação de projectos e acções de inclusão social, com realce para a prática da agricultura, para a produção de alimentos para o auto-sustento, melhoria das condições de vida e contribuir significativamente para o desenvolvimento socioeconómico da região.
O director da Mbakita informou que, no quadro do plano estratégico da instituição, constam vários programas que visam socializar as comunidades sans, nos processos de educação, agricultura, agropecuária, assentamento das comunidades e inclusão social.
A Missão de Beneficência Agropecuária do Kubango, Inclusão, Tecnologia e Ambiente está a trabalhar em parceria com as direcções províncias da Educação e Saúde, com o intuito de instalar  no seio das localidades onde habitam as comunidades Sans, escolas e postos de saúde,  concluiu Pascoal Baptistiny.

Tempo

Multimédia