Províncias

Petrolífera doa animais à comunidade Khoisan

Carlos Paulino |Ntopa

Cerca de 60 famílias da comunidade Khoisan das aldeias de Mbundo e Mucundi, na província do Kuando-Kubango, receberam na quinta-feira várias cabeças de gado bovino e caprino, aves e charruas de tracção animal, num gesto da empresa petrolífera BP-Angola do bloco 18.

Cerca de 60 famílias da comunidade Khoisan das aldeias de Mbundo e Mucundi, na província do Kuando-Kubango, receberam na quinta-feira várias cabeças de gado bovino e caprino, aves e charruas de tracção animal, num gesto da empresa petrolífera BP-Angola do bloco 18.
A entrega das oito cabeças de gado bovino, 22 cabritos, 46 galinhas e seis charruas de tracção animal pela petrolífera realizou-se na localidade de Ntopa, a cerca de 180 quilómetros da cidade de Menongue, no quadro do programa de repovoamento animal.
 Denominado “Esperança 2”, o projecto válido por dois anos, está avaliado em 140 mil dólares. O mesmo será supervisionado pela Associação de Conservação do Ambiente e Desenvolvimento Integrado Rural (ACADIR), que a nível do Kuando-Kubango trabalha no acompanhamento dos Khoisans, também conhecidos de camussequeles.
O director para o desenvolvimento sustentável da empresa BP-Angola do bloco 18, Gaspar dos Santos, disse que o referido projecto tem como objectivo fundamental o apoio às comunidades Khoisans para que possam ser reintegradas rapidamente na sociedade.
O responsável realçou que a petrolífera tem estado a zelar pelo investimento social, fundamentalmente nas áreas de educação, agricultura, formação de parteiras tradicionais, repovoamento animal e assistência médica e medicamentosa às populações.
Gaspar dos Santos garantiu que a exploradora de petróleo vai continuar a apoiar os membros da comunidade Khoisan a nível da região e não só, com vista a melhorar as condições de vida e bem-estar social deste grupo étnico.  
O director executivo da ACADIR, António Chipita, agradeceu o gesto da petrolífera, sublinhando que o “Esperança 2” vai contribuir para o desenvolvimento sustentável da comunidade Khoisan do Ntopa.

Tempo

Multimédia