Províncias

População com acesso fácil aos serviços sociais básicos

Carlos Paulino | Menongue

Cerca de 54 por cento dos agregados familiares da província têm acesso a uma fonte apropriada de água para beber e 32 por cento usam uma instalação sanitária adequada, segundo dados do relatório final do Inquérito dos Indicadores Múltiplos e de Saúde (IIMS) da província do Cuando Cubango, realizado durante o período 2015/2016.

Vários sistemas de captação estão a ser construídos em vilas e aldeias do Cuando Cubango
Fotografia: Eduardo Pedro | Edições Novembro

A informação foi apresentada por Ezequiel Luís, técnico sénior do departamento de estatísticas demográficas e sociais do Instituto Nacional de Estatística (INE), que explicou ainda que os dados apontam que 26 por cento dos habitantes da província têm acesso à energia eléctrica, numa altura em que a nível nacional são 52 por cento.
Os dados do INE, divulgados em Menongue, referem que 76 por cento dos homens e 50 por cento das mulheres têm algum nível de escolaridade, ou seja, sabem ler e escrever. A taxa de mortalidade infantil é de 44 mortes em cada mil nados vivos e a infanto-juvenil é de 68 mortes por mil pessoas.
No que toca à mortalidade associada à gravidez, Ezequiel Luís disse que é de 239 mortes por 100 mil nados vivos. As mulheres no Cuando Cubango têm uma média de cinco filhos cada, enquanto 1,4 por cento das casadas usam algum método contraceptivo moderno.

Violência doméstica


Os índices nacionais de violência física contra os maridos ou parceiro apontam para 6 por cento, a nível da província do Cuando Cubango é zero por cento, salientou o técnico sénior do departamento de estatísticas demográficas e sociais do Instituto Nacional de Estatística. Ezequiel Luís avançou ainda que oito por cento das crianças dos 12 aos 23 meses de idade receberam todas as vacinas básicas, 43 por cento dos menores de cinco anos apresentam malnutrição crónica e 38 por cento dos bebés dos 6 aos 59 meses tiveram o teste positivo da malária.
Em relação ao VIH e Sida, o Inquérito dos Indicadores Múltiplos e de Saúde aponta que a seroprevalência, no Cuando Cubango, é de 5,5 por cento. Sendo a segunda província com taxas mais elevadas, depois de Cunene, com 6,1 por cento, enquanto a mais baixa é a do Zaire, com 0,5 por cento. O inquérito dos Indicadores Múltiplos e de Saúde revela que seis por cento das pessoas dos 15 aos 49 anos são seropositivos e acrescentou que 19 por cento dos homens e 9 por cento das mulheres têm conhecimento abrangente sobre o VIH e Sida.
É também referido no mesmo estudo que das pessoas de 15 aos 49 anos, 57 por cento dos homens e 36 por cento das mulheres sabem onde fazer o teste sobre o seu estado serológico. Os dados apontam ainda que 23 por cento das mulheres e 20 por cento dos homens testados, nos últimos 12 meses, receberam o resultado, e que 13 por cento das mulheres grávidas são aconselhadas e testadas sobre o VIH e Sida e beneficiam do resultado durante a consulta pré-natal.

Malária na região


Ezequiel Luís realçou que a província do Cuando Cubango tem a segunda taxa mais alta de malária, com 38 por cento, depois do Moxico, com 40 por cento, enquanto o Cunene, Huambo e Namibe têm as taxas mais baixas, com 1 por cento.
O mesmo responsável sublinhou que o Inquérito dos Indicadores Múltiplos e de Saúde 2015-2016 é o quarto realizado até agora, ao passo que o Inquérito Demográfico e de Saúde é o primeiro que decorreu a nível do país inteiro.
A amostra garante uma representatividade a nível nacional, provincial, urbana e rural, assim como em termos das características sócio-demográficas como sexo, grupos etários, escolaridade, e dados sócio-económicos da população, segundo o técnico sénior do departamento de estatísticas demográficas e sociais do INE.
O vice-governador do Cuando Cubango para o sector Político e Social, Pedro Camelo, disse que o relatório final do IIMS vai contribuir significativamente para que o governo local possa ter o domínio real das situação da população e tomar medidas para melhorar as condições de vida dos habitantes, sobretudo os que vivem nas zonas suburbanas.

Destacada gestão da bacia hidrográfica


O presidente do Comité Nacional de Coordenação das Partes Interessadas na Bacia do Zambeze (NASC-Angola), Celestino João, destacou, em Menongue, o papel desempenhado pelas mais distintas direcções províncias na gestão e conservação da bacia hidrográfica do Zambeze.
Ao intervir no encontro entre os membros da Comissão da Bacia Hidrográfica do Zambeze (Zamcom), Celestino João detalhou que o NASC-Angola é constituído por vários integrantes, entre os quais as direcções provinciais de Energia e Águas, Agricultura, Indústria, Geologia e Minas, Transportes e Telecomunicações, Comércio, Hotelaria e Turismo, Urbanismo e Ambiente e Saúde.
A sua sede actual fica na Província do Moxico, mas os técnicos estão repartidos por duas localidades que contribuem com os seus rios para o curso do Zambeze, nomeadamente Moxico e Cuando Cubango.
As direcções da Agricultura e Pescas desempenham uma importância capital no controlo do curso, através da implementação de projectos agrícolas, cujo desenvolvimento está directamente ligado à existência de água em abundância e não poluída.
Quanto ao sector de Indústria, Geologia e Minas,uma vez que muitos dos minerais encontram-se situados ao longo da bacia hidrográfica do Zambeze e a sua exploração requer regras, estas instituições têm actuado no sentido de fazer cumprir com os critérios e regulamentos definidos.

 

 

Tempo

Multimédia