Províncias

População do Lupiri e Baixo Longa está a enfrentar imensas dificuldades

Nicolau Vasco| Baixo-Longa

A população das comunas do Lupiri e Baixo Longa, pertencentes ao município do Cuito Cuanavale, província do Kuando-Kubango, necessitam de intervenção urgente do governo, no que toca à construção de pontes, vias de acesso, desminagem e fornecimento de instrumentos de trabalho, para desenvolverem a agricultura de subsistência.

Governador visitou as localidades para se inteirar sobre as dificuldades
Fotografia: JA

A população das comunas do Lupiri e Baixo Longa, pertencentes ao município do Cuito Cuanavale, província do Kuando-Kubango, necessitam de intervenção urgente do governo, no que toca à construção de pontes, vias de acesso, desminagem e fornecimento de instrumentos de trabalho, para desenvolverem a agricultura de subsistência.
Este facto foi revelado no fim-de-semana, nas referidas comunas, pelos administradores, no final das visitas efectuadas pelo governador Eusébio de Brito Teixeira.
Segundo o administrador adjunto do Baixo Longa, José Pereira, o péssimo estado das vias de acesso, a falta de pontes e a não desminagem da estrada que liga a sede comunal ao Longa e ao Cuito-Cuanavale está na base dos principais problemas da população.
José Pereira disse que a sede comunal se debate com problemas de infra-estruturas e que ainda são visíveis escombros causados pelo conflito armado.
No âmbito do programa de construção e recuperação de infra-estruturas económicas e sociais, o executivo do Kuando-Kubango construiu na sede comunal uma escola de quatro salas, um posto médico e recuperou o edifício da administração municipal. "A população carece de meios básicos, como ferramentas de trabalho, para  ­desenvolver a agricultura, água, luz e comunicações", disse José Pereira.
Falando sobre o sector da Educação, José Ferreira disse que no presente ano lectivo foram matriculados 558 alunos e 90 estão fora do sistema normal de ensino.

Comuna do Lupiri

A comuna Lupiri, situada a 96 quilómetros do Cuito-Cuanavale e 286 da sede capital, faz fronteira com a província do Moxico. A população está preocupada com a existência de campos minados, falta de pontes e o péssimo estado das vias de acesso. Os camponeses pediram ao governo local sementes, charruas e uma viatura para escoarem os seus produtos para os centros comercias da região.
No local está em curso a construção de uma escola de oitos salas. "As obras decorrem há mais de dois anos, devido a dificuldades de acesso e a distância que separa a comuna aos locais onde são adquiridos os materiais de construção", disse o mestre de obra, Tito Lambi.
O governador Eusébio de Brito Teixeira garantiu que vão ser definidos projectos para se ultrapassar os problemas apresentados nas comunas do Lupiri e Baixo-Longa, dando prioridade à reabilitação das vias de acesso, pontes, escolas, luz e água.

Tempo

Multimédia