Províncias

População tem novas unidades sanitárias

Carlos Paulino | Menongue

O sector da saúde na província do Kuando-Kubango ganhou desde o acordo de Paz, 86 novas unidades sanitárias construídas de raiz ou reabilitadas.

Província ainda se debate com uma falta gritante de unidades sanitárias devidamente apetrechadas com meios tecnológicos de última geração
Fotografia: Arão Martins|Huíla

Têm vindo a responder às necessidades de assistência médica e medicamentosa das populações, sobretudo aquelas que vivem nas áreas mais isoladas.
Em declarações a ao Jornal de Angola, o director provincial da Saúde, Fernando Cassanga, disse que entre as unidades sanitárias estão seis hospitais, dez centro médicos e 70 postos de saúde.
Sublinhou que até 2002 o sector da saúde na província do Kuando-Kubango contava apenas com cinco unidades sanitárias, 15 médicos e 200 enfermeiros que não correspondiam às necessidades das comunidades. “Hoje temos 89 unidades sanitárias, 38 médicos e 1.345 enfermeiros que têm contribuido para uma melhor assistência médica e medicamentosa à população”, disse, acrescentando que estes ganhos são fruto da Paz efectiva que o país está viver desde 2002.
Fruto dos investimentos no sector, os índices o índice de mortalidade por malária baixaram de 479 para 200 casos anuais, uma acção que tem sido conciliada com campanhas de sensibilização da população sobre a educação sanitária, saneamento básico e a distribuição de mosquiteiros impregnados com insecticidas.
Fernando Cassanga salientou que o programa de municipalização dos serviços de saúde está a contribuir para que não haja carência de medicamentos nas unidades sanitárias e a população já não percorre longas distâncias à procura de assistência medica e medicamentosa, porque as administrações municipais estão a construir centros médicos e postos de saúde em todas as comunas e aldeias.
 “Apesar dos ganhos alcançados, a província ainda se debate com uma falta gritante de unidades sanitárias devidamente apetrechadas com meios tecnológicos de última geração, para dar resposta às doenças mais frequentes como a malária, doenças respiratórias, VIH/Sida e má nutrição”, disse. Fernando Cassanga referiu que por falta de meios de diagnóstico e blocos operatórios, muitos pacientes são obrigados a procurar estes serviços nas províncias do Huambo, Huíla e Luanda. 
O director provincial de Saúde na província do  Kuando-Kubango anunciou que neste momento está em fase de conclusão a construção de um centro oftalmológico, um depósito de medicamentos, um hospital sanatório, um instituto médio de enfermagem no município de Menongue e decorrem obras de reabilitação do hospital provincial. Fernando Cassanga acrescentou que decorrem igualmente as obras de construção do Hospital Municipal do Cuito Cuanavale que vai ter uma capacidade de 300 camas para internamentos.  Salientou ainda que está previsto, nos próximos dias, o arranque das obras de construção dos hospitais municipais do Rivungo, Calai e Dirico, além do Hospital Regional de Mavinga.

Tempo

Multimédia