Províncias

Professores rurais estão melhor preparados

Weza Pascoal | Menongue

A jornada académica de investigação social denominada “Machimbombo, o nosso continente”, que teve a duração de três meses, terminada na quarta-feira,

Futuros professores realizaram actividades de campo em diversas partes da província para conhecerem a realidade das comunidades
Fotografia: Nicolau Vasco | Menongue

permitiu aos estudantes da Escola de Professores do Futuro (EPF), afecta à organização não governamental Ajuda de Desenvolvimento de Povo para Povo (ADPP), ter mais conhecimentos sobre as comunidades rurais do Cuando Cubango e não só, para onde possam ser colocados, depois da formação.
O director da escola, Walter Alexandre, disse que a jornada consistiu essencialmente na recolha de informações sobre o modo de vida das comunidades rurais, seleccionadas para o efeito. Os dados compilados vão ser apresentados ao Governo da província, para direccionar melhor as suas acções sociais.  
Além da componente social, a iniciativa teve igualmente como objectivo conferir maior competência profissional aos futuros professores, que já têm um melhor conhecimento das comunidades, permitindo-lhes ter uma ideia clara do que os espera, caso sejam destacados para uma aldeia.
Durante três meses, os futuros professores realizaram com zelo e profissionalismo várias actividades em diferentes aldeias das sedes municipais de Menongue, Cuchi e Cuito Cuanavale, no Cuando Cubango, e do Chitembo, na província do Bié, onde tiveram a oportunidade de acompanhar o dia-a-dia das comunidades.
Walter Alexandre considerou  fundamental que os estudantes tenham contacto com a realidade das comunidades, para ganharem experiência, não só como professor, mas também como um cidadão activo, que contribui para o desenvolvimento social.
“Devido à crise económica e financeira que o país atravessa, a ADPP viu-se obrigada a criar um programa interno, o ‘Machimbombo, o nosso continente’, virado 100 por cento para o interior do país, em substituição do anterior, que consistia em deslocações periódicas a alguns países da África Austral, designadamente a Namíbia, Botswana, Zâmbia, Zimbabwe e a África do Sul, para troca de experiências”, revelou.
O director provincial da Educação, Miguel Canhime “Cazavubo”, agradeceu às administrações municipais pelo apoio prestado aos futuros professores, tendo em conta que o projecto educativo da ADPP, para conhecimento do modo de vida das comunidades rurais e troca de experiências, concorre para a melhoria do ensino no Cuando Cubango. Por esta razão disse, no concurso de ingresso de novos quadros para o sector da Educação no presente ano, os professores formados pela ADPP e no Instituto Médio Normal de Educação terão prioridade.
Miguel Canhime “Cazavubo” lamentou o facto de o município do Nancova ser o único do Cuando Cubango que, desde 2013, data da implementação da Escola de Professores do Futuro na província, nunca ter enviado um candidato à formação, apesar dos sucessivos apelos para o efeito. Anualmente cada município tem a oportunidade de enviar dez candidatos.

Tempo

Multimédia