Províncias

Província conta com mais salas e professores

Carlos Paulino | Menongue

Mais de mil salas de aulas estão preparadas na província do Cuando Cubango para o arranque do ano lectivo 2014, que tem início previsto para 31 de Janeiro, segundo o director da Educação, Ciência e Tecnologia.

Cresce o número de escolas reabilitadas e construídas na província no âmbito do programa do Executivo de desenvolvimento rural
Fotografia: Lourenço Bule | Menongue

Em entrevista exclusiva ao Jornal de Angola, Miguel Kanhime disse que, com a encontrada em funcionamento destas salas de aulas, a instituição que dirige prevê matricular, no ano lectivo do 2014, mais de 205 mil alunos, da iniciação a 12ª classe.
Sublinhou que em 2013 a direcção provincial da Educação contou com pouco mais de 800 salas de aulas, que permitiram matricular 184 mil alunos. As aulas foram ministradas por 5.379 professores.
Miguel Kanhime fez saber que, no ano findo, a instituição que dirige ganhou 53 escolas, que permitiram tirar mais de cinco mil crianças fora do sistema de ensino e melhorar as condições de muitas que estudavam debaixo das árvores e em capelas de igrejas.

Ano proveitoso


“A nossa meta é fazer com que, no máximo até o ano de 2016, na província do Cuando Cubango não há crianças fora do sistema de ensino”, disse Miguel Kanhime, acrescentando que o Governo está a fazer tudo para que se possa cumprir com este desiderato. Recordou que actualmente a direcção provincial da Educação, Ciência e Tecnologia controla cerca de 29 mil crianças que se encontram fora do sistema de ensino e aprendizagem.
O director provincial da Educação, Ciência e Tecnologia considerou de bastante positivo o balanço do ano lectivo 2013, tendo em conta que o nível de aproveitamento esteve na ordem de 90 por cento, contra os 80 do ano passado. Sublinhou que isto só foi possível graças ao empenho e dedicação dos professores e alunos, que, apesar das dificuldades enfrentadas, deram o melhor de si para o êxito do ano lectivo 2013.

Novas escolas

“É um ano que conseguimos concluir três instituições do ensino médio, nomeadamente a escola de formação de técnicos de saúde, o instituto agrário do Missombo e a escola dos professores do futuro, afecta à organização norueguesa Ajuda de Desenvolvimento de Povo para Povo (ADPP) ”, disse o director da Educação.
Miguel Kanhime salientou ainda que o Governo local está a envidar esforço no sentido de estender a construção de escolas do segundo ciclo do ensino secundário para o interior da província, onde se regista um elevado número de estudantes que concluem a 9ª classe e que enfrentam dificuldade para dar continuidade aos estudos.
Acrescentou ainda que 2013 foi um ano em que a direcção provincial da Educação, Ciência e Tecnologia conseguiu bancarizar todos os salários dos professores, com vista a acabar com os docentes fantasmas, bem como foi o ano em que se construíram mais escolas, sobretudo do ensino primário.

Falta de bibliotecas

Miguel Kanhime apontou a falta de bibliotecas e de laboratórios como sendo as principais dificuldades que o sector da Educação enfrenta na província, para um processo de ensino-aprendizagem de qualidade.
Realçou ainda que, para um processo de ensino-aprendizagem que se almeja para a província, o sector que dirige necessita de pelo menos três mil professores, para assegurar os mais de 205 mil alunos matriculados no ano lectivo 2014.
Além do sector da Educação, estão também em curso diversas acções de impacto social que visam melhorar a qualidade de vida da população do Cuando Cubango.
Das acções em curso, destaque para a reabilitação e construção de postos de saúde, centros médicos, estradas, sistemas de abastecimento e fornecimentos de água potável e energia eléctrica, em comunidades do interior da província.  

Tempo

Multimédia