Províncias

Província forma mestres em prestação de serviços

Carlos Paulino | Menongue

Mais de mil jovens da província do Kuando-Kubango frequentam, desde segunda-feira, um ciclo de formação profissional com a duração de nove meses, nas especialidades de informática, mecânica auto, administração e gestão, serralharia, corte e costura, agricultura, contabilidade, alvenaria, canalização, electricidade de baixa tensão e inglês.

Entre os cursos ministrados na província constam os de mecânica e electricidade
Fotografia: Nicolau Vasco | Menongue

Mais de mil jovens da província do Kuando-Kubango frequentam, desde segunda-feira, um ciclo de formação profissional com a duração de nove meses, nas especialidades de informática, mecânica auto, administração e gestão, serralharia, corte e costura, agricultura, contabilidade, alvenaria, canalização, electricidade de baixa tensão e inglês.
Dos 1.002 inscritos, 372 foram matriculados no centro integrado de emprego e formação profissional de Menongue, 319 nos pavilhões de artes e ofícios dos municípios do Cuito Cuanavale e Cuchi e 311 nas três unidades móveis, que este ano foram instaladas na comuna do Longa.
Na abertura do ciclo formativo, a coordenadora da comissão de gestão da Direcção Provincial da Administração Pública, Emprego e Segurança Social (MAPESS), Margarida Cafeca, disse que a formação profissional permite aos jovens concorrerem melhor para o mercado de emprego.
A responsável realçou que o centro integrado de Menongue, as três unidades móveis e os dois pavilhões de artes e ofícios do Cuito Cuanavale e do Cuchi, têm sido insuficientes para atender a procura dos jovens que buscam formação na província do Kuando-Kubango.
Apesar desta situação, garantiu que o centro de Menongue e os pavilhões de artes e ofícios vão ter sempre as portas abertas para receber todos os cidadãos e em particular os jovens que pretendam obter formação profissional.
“O país e, em particular, a nossa província só se vai desenvolver se apostarmos seriamente na formação profissional,que vai permitir estar preparados para trabalhar nos mais variados sectores”, disse.
Margarida Cafeca salientou que, desde 2005, a sua instituição formou e colocou no mercado de trabalho 1.168 jovens, formados nas especialidades de informática, contabilidade, serralharia, corte e costura, mecânica auto, canalização, electricidade, agricultura, administração e gestão, carpintaria e inglês.

Tempo

Multimédia