Províncias

Queimadas toneladas de peixe deteriorado

CARLOS PAULINO | Menongue

O Instituto Nacional de Defesa do Consumidor (INADEC), em coordenação com a Polícia de Inspecção e Investigação das Actividades Económicas, incinerou, nos arredores da cidade de Menongue, um total de 14 toneladas de carapau deteriorado.

O peixe foi apreendido num estabelecimento comercial e incinerado nos arredores de Menongue
Fotografia: ANDRÉ AMARO|Menongue

O director provincial do INADEC, Manuel Mateus, disse que o peixe foi apreendido num estabelecimento comercial de venda de frescos, denominado “SKY”, durante uma micro-operação que os efectivos da Polícia Económica realizaram, na sequência das denúncias da população.
O peixe incinerado era proveniente da Namíbia e presume-se que tenha sido desalfandegado em Dezembro último, já deteriorado, sem se ter em conta os riscos para a saúde dos consumidores.
Manuel Mateus explicou que sempre que é apreendida mercadoria deteriorada, o proprietário é punido com uma multa, que pode atingir os 500 mil kwanzas.
Por isso, alertou os agentes económicos para a obrigação de cumprirem a lei, privilegiando a qualidade, durabilidade e conservação dos bens perecíveis, sobretudo os mais sensíveis para a saúde humana.

Fiscalização reforçada

O responsável do INADEC referiu que a instituição vai continuar a desencorajar práticas desonestas na comercialização de produtos de qualidade duvidosa, sobretudo alimentos e medicamentos.
Tendo em conta os casos registados ultimamente, exortou a população a manter-se atenta durante a aquisição de produtos, verificando sempre a data da sua expiração e qualidade.
Segundo Manuel Mateus, os técnicos do Instituto Nacional de Defesa do Consumidor, em coordenação com a Polícia de Inspecção e Investigação das Actividades Económicas, vão continuar a sensibilizar a população no sentido de denunciarem os casos que lesem os seus direitos.Apontou, ainda, a falta de viaturas todo-o-terreno e de técnicos como as principais dificuldades que o INADEC enfrenta para uma melhor cobertura da fiscalização.
O inspector da saúde pública da província, Evaristo Kagombe, alertou que o consumo de produtos deteriorados pode ser fatal para o ser humano, uma vez que causa intoxicação alimentar.

Tempo

Multimédia