Províncias

Sector reforçado com mais médicos

Carlos Paulino | Menongue

O sector da Saúde na Província do Cuando Cubango vai ser reforçado, nos próximos dias, com mais 28 médicos provenientes da Huíla e de Luanda, com vista a suprir o défice de quadros que se regista na região, revelou terça-feira, em Menongue, o vice-governador para os Serviços Técnicos e Infra-estruturas.

Muitos pacientes dão entrada aos hospitais da províncias e levam horas para serem atendidos por falta de médicos
Fotografia: Carlos Paulino | Menongue

Joaquim Malichi referiu que a vinda dos profissionais visa  melhorar os níveis de assistência médica e medicamentosa da população da Província do Cuando Cubango.
Neste momento, um grupo de 18 médicos, sendo 17 da província da Huíla e um de Luanda, estão, desde domingo, no Cuando Cubango, para constatarem a realidade da província e tirarem as ilações que lhes permitam analisar a situação da região e tomarem uma decisão quanto à instalação definitiva ou não naquela parte de Angola.
O responsável provincial salientou que a ida dos médicos visa dar resposta a uma petição feita, no mês de Janeiro, pelo governador Provincial do Cuando Cubango, quando  visitava a Província da Huíla.
Durante a estada naquela parcela do país, Higino Carneiro convidou os quadros formados no sector da Saúde a irem trabalhar na região.
O vice-governador Joaquim Malichi disse que o Governo está comprometido na criação de condições para o enquadramento dos médicos e assegurar acomodação nos nove municípios da província, para que os 28 médicos possam trabalhar ali definitivamente.
O responsável sublinhou que os médicos vão ser colocados nos municípios do interior, com particular realce para o Rivungo, onde actualmente não existe nenhum profissional da Saúde com nível superior.
O director Provincial da Saúde, Fernando Cassanga, manifestou-se regozijado pelo reforço de mais médicos, considerando que os  profissionais vão contribuir "com sapiência" para a redução da mortalidade materno-infantil a nível da província.
Fez saber que actualmente o sector conta com 42 médicos, dos quais dez nacionais, 17 cubanos, 11 coreanos e quatro russos, que são auxiliados por 843 enfermeiros, 13 técnicos de diagnósticos terapêuticos e 592 pessoal de apoio hospitalar.
Fernando Cassanga sublinhou que, neste momento, as patologias mais frequentes são as doenças respiratórias e diarreicas agudas, malária, hipertensão arterial, VIH-sida e o sarampo.
O porta-voz da delegação dos médicos, Edson Mário, disse que a sua equipa está preparada para trabalhar em qualquer município da província, desde que lhes sejam criadas as condições para contribuir na melhoria da qualidade de serviço de Saúde prestado às populações.
Durante a permanência na província, os médicos, formados recentemente pela Universidade Mandume Ya Ndemunfayo, vão visitar o Hospital Geral, pediatria de Menongue, o sanatório, Maternidade provincial, além da Escola de Formação de Técnicos de Saúde.
Constam do programa visitas às obras de construção do centro de especialidade, ao novo Hospital Geral e sanatório de Menongue, a um centro médico e aos trabalhos dos hospitais municipais do Cuito Cuanavale, na província do Bié, e do Cuchi e às futuras residências dos médicos nestas duas localidades.

Tempo

Multimédia