Províncias

Seropositivos estão a aumentar

Carlos Paulino | Menongue

Autoridades sanitárias do Kuando-Kubango estão seriamente preocupadas com a atitude de alguns jovens e adultos que se recusam a utilizar o preservativo durante as relações sexuais ocasionais, um comportamento que fez com que a província atingisse o estatuto de segunda região de Angola mais afectada pela doença, com uma seroprevalência de 5.6 por cento, sendo superada apenas pelo Bié, que ocupa a primeira posição da escala nacional.

População da região é aconselhada a não abandonar a terapia retroviral e a propagação da doença que está a causar muitas mortes
Fotografia: Carlos Paulino|Kuando Kubango

Outra situação que está a inquietar o quadro clínico da região é o abandono constante das pessoas da terapia retroviral, o que está a contribuir para a agudização da doença nos pacientes e aumento do número de óbitos.
Esta informação foi prestada ao Jornal de Angola pelo director provincial da Saúde, Fernando Cassanga, à margem da marcha de solidariedade para com as vítimas da Sida, realizada domingo, e que percorreu algumas artérias da cidade de Menongue.
Fernando Cassanga explicou que das 1.172 pessoas afectadas pelo VIH/Sida que a sua instituição controla a nível da província, apenas 147 cumprem com a terapia anti-retroviral e muitos só aparecem nas unidades sanitárias quando a doença se agrava.
Salientou que o Kuando-Kubango tem anti-retrovirais suficientes para dar resposta ao número de pessoas seropositivas e não entende porque razão muitos cidadãos quando são diagnosticados com a doença não aparecem nas unidades sanitárias para o tratamento. Para fazer face ao problema da Sida no Kuando-Kubango, o Ministério da Saúde, em parceria com as diferentes organizações nacionais e internacionais que em Angola intervêm no combate à doença, pretendem intensificar as campanhas de sensibilização, a extensão dos centros de aconselhamento e testagem voluntária em todas as zonas habitadas, a distribuição de preservativos, entre outros incentivos.
Fernando Cassanga fez saber que, de Janeiro a Novembro deste ano, a direcção provincial da Saúde registou um total de 705 novos casos de VIH/Sida, que causaram a morte de oito pessoas.
Em 2012 foram diagnosticadas 647 casos de Sida, com 28 óbitos.
Fernando Cassanga informou que durante o período em referência foram realizados 58 partos, com corte de transmissão vertical, e em 2012 foram 51 casos.
“A província do Kuando-Kubango apresenta uma seroprevalência de 5,6 contra os 4,2 de 2009 e neste momento ocupa o segundo lugar a nível nacional depois do Bié, o que significa que em cada 100 pessoas, cinco podem ser portadoras da doença”, disse.
O vice-governador para o Sector Político e Social, Pedro Camelo, defendeu a necessidade de se reforçar cada vez mais a solidariedade, tolerância, a compaixão e compreensão em relação às pessoas afectadas pelo VIH/Sida, bem como a promoção de uma atitude generalizada de combate à pandemia.
“É necessário melhorar substancialmente as condições de trabalho dos funcionários do sector da Saúde, sobretudo aqueles que estão nas zonas rurais e de difícil acesso, para que possam desempenhar bem o seu papel de salvar vidas”, concluiu.

Tempo

Multimédia