Províncias

Kwanza-Sul investe na agricultura

Casimiro José

O director-geral do Instituto Médio Agrário do Wako-Kungo (IMA), localizado no Kwanza-Sul, Luís João Francisco, anunciou que o município tem condições básicas criadas para responder às necessidades de formação de jovens de ambos sexos em diversas especialidades do ramo agrário.

Alunos assimilam conhecimentos técnicos para lidar com o campo
Fotografia: Casimiro José

                                                                      
 O director-geral do Instituto Médio Agrário do Wako-Kungo (IMA), localizado no Kwanza-Sul, Luís João Francisco, anunciou que o município tem condições básicas criadas para responder às necessidades de formação de jovens de ambos sexos em diversas especialidades do ramo agrário.
O Instituto Médio Agrário do Wako-Kungo é um empreendimento moderno equipado com tecnologia de última geração que proporciona a formação de técnicos agrários e desenvolvendo acções de formação profissional em regime de internato.
Referiu que actualmente a instituição escolar funciona com 26 professores 450 alunos.
A formação é de três anos e são ministrados dois cursos médios, “produção animal” e “produção vegetal” e três cursos básicos para auxiliares de mecanização agrícola e de produção animal e vegetal.
Segundo Luís Francisco, os potenciais candidatos aos cursos ministrados no instituto são jovens com uma formação académica a partir da nona classe e com a idade mínima de 16 anos sem descriminação de sexo.
O director-geral do Instituto Médio Agrário do Wako-Kungo, (IMA), Luís João Francisco, disse ao Jornal de Angola que, apesar dos condicionalismos de uma instituição nova, a prestação do empreendimento é positiva e enquadra-se nos esforços do Governo, no tocante à formação de quadros para colaborarem na reconstrução nacional e no desenvolvimento do país.
Construído em 2007 no quadro do programa de reconstrução nacional, o IMA tem a capacidade para formar 1050 alunos e está numa superfície de 28.4 hectares, sendo 23.9 hectares destinados à actividade agro-pecuária.
Luís João Francisco apontou o desenvolvimento da agricultura e pecuária e a criação de animais de pequeno porte e aves como sendo “o cavalo de batalha” da instituição, mas também produz hortícolas, frutas, milho e batata-doce.
 “Possuímos terras férteis e água para fomentarmos a agricultura e pecuária de forma a responder às necessidades alimentares dos alunos, mas também escoar os excedentes para mercados solidários. Com a conclusão do sistema de captação de água, a partir do rio Keve, e as máquinas e alfaias, acreditamos no bom sucesso” afirmou Luís João Francisco.
O IMA tem um parque com equipamentos e meios técnicos constituído por tractores, máquinas de preparação de solos, de defesa das culturas, semeadoras e adubadoras em condições para desenvolver a agricultura em todas as épocas do ano.
Segundo Luís Francisco “a agricultura constitui a aposta para o desenvolvimento de Angola, logo a formação nesta área é a chave para dar competências aos futuros angolanos do ramo agrário”, lembrou.
A estrutura organizativa e funcional do centro está constituída pelos serviços administrativos, dormitórios para a direcção do instituto e 16 casas para professores, dois edifícios para albergar alunos em regime de internato, uma cozinha e refeitório, lavandaria e um posto médico.
O instituto tem ainda 13 salas para aulas teóricas e duas para desenho técnico, cinco laboratórios para as disciplinas de biologia, química, física, zootecnia e informática, um ginásio para cultura física e uma oficina para reparação de equipamentos.

Tempo

Multimédia