Províncias

A construção de uma nova província

Filomeno Manaças * |

A Lunda-Norte está a transformar-se numa nova província. Os investimentos até agora feitos levaram os ventos da modernidade a tocar em vários sectores e a imprimir uma nova dinâmica de vida para as populações locais.

A Lunda-Norte está a transformar-se numa nova província. Os investimentos até agora feitos levaram os ventos da modernidade a tocar em vários sectores e a imprimir uma nova dinâmica de vida para as populações locais.
No Dundo a nova centralidade, as instalações do Ensino Superior, os projectos agro-pecuários e agora as obras em curso do novo aeroporto estão a remeter para plano secundário a ideia de uma província cuja vida económica tinha sido talhada para andar à volta fundamentalmente da exploração de diamantes. Os novos ares e oportunidades de realização pessoal são uma realidade festejada por todos os que sempre sonharam com a possibilidade de valorização do potencial humano da província sem terem necessariamente de a abandonar em busca de conhecimentos.
Quem hoje chega ao Dundo e tenha estado por mais de cinco anos ausente há-de constatar que, no cômputo geral, as transformações positivas são indesmentíveis. A reabilitação das estradas vai completar o cenário de mudanças em curso e abrir espaço para um rápido crescimento da actividade económica, com o comércio a projectar-se como um sector responsável por grande parte da vitalidade que já é possível vislumbrar em muitos municípios. A transformação do meio rural em espaço aberto à modernidade
dá lugar a uma nova vivência em que é cada vez mais reconhecida a necessidade da existência de empresas como factores que asseguram a estabilidade social por via do fomento do emprego e do progresso económico.
Ao ritmo que os projectos nascem e se realizam, a Lunda-Norte vai seguramente, dentro de cinco-dez anos, transformar-se numa das províncias do país com mais crescimento em todos os sectores. E como no acreditar reside a força das grandes conquistas, as populações estão repletas de alegria e empenhadas em mudar o curso da história, porque sabem e podem agora verificar que a Lunda-Norte está a projectar o seu desenvolvimento para além do diamante. Apostar noutros sectores económicos é um imperativo decorrente da própria mudança de mentalidade que também está a florescer com a força e inteligência de quem tem fé que a Lunda-Norte pode ser também uma província grande produtora agrícola, com investimentos de vulto na pecuária industrial, capaz de formar técnicos superiores e, em conjunto com as demais, contribuir para o engrandecimento de Angola.
Em tempo de safra, que também ainda é de semear porque o trabalho não terminou, o governador Ernesto Muangala e sua equipa bem podem dizer que valeram a pena as idas constantes ao terreno para constatar o andamento das diferentes obras, para interagir com os beneficiários e auscultar deles as impressões e preocupações para traçar estratégias para lidar com os novos desafios que se perfilam no horizonte. Afinal, a caminhada da reconstrução vai dar lugar agora a uma nova etapa no desenvolvimento do país.
Nada mais salutar poderia acontecer à Lunda-Norte senão a lufada de obras concretizadas que anunciam uma nova era na província, ela que, por causa dos diamantes, viu a guerra entrar-lhe pelas portas e sufocar todos os sonhos de, com o país independente, ser um gigante na economia nacional.

* Administrador Executivo para a Área Editorial

Tempo

Multimédia