Províncias

Analisada a pobreza no Cuanza Norte

Administradores municipais e gestores da Unidade Técnica da Comissão Nacional de Combate à Fome e à Pobreza analisaram ontem, em Ndalatando, Cuanza Norte, o grau de execução do Programa Municipal Integrado de Desenvolvimento Rural e de Combate à Pobreza a nível da região, desde 2010 até ao primeiro semestre do ano em curso.

Sector da Agricultura é dos que mais têm merecido a atenção das autoridades provinciais para diversificar a economia
Fotografia: Dombele Bernardo

O encontro foi dominado pela apresentação dos relatórios das actividades realizadas durante o período em referência, em função da quota financeira disponibilizada.
O director adjunto da Unidade Técnica Nacional do Programa de Combate à Fome e à Pobreza, Yuri Chipuio, enalteceu a forma como as autoridades do Cuanza Norte têm concretizado os objectivos previstos, em benefício das comunidades do interior da província.
Na sequência das visitas e dos contactos com os administradores municipais, ao longo de seis dias de trabalho em várias circunscrições, Yuri Chipuio verificou que as populações estão a beneficiar do Programa de Combate à Fome e à Pobreza, com o funcionamento dos novos equipamentos sociais, apesar de reconhecer algumas dificuldades de manutenção que resultam da crise financeira que o país está a enfrentar.
Yuri Chipuio disse ter encontrado algumas insuficiências a nível do ensino, abastecimento de água e energia e vias rodoviárias. No entanto, admitiu que o Executivo, através do Plano Nacional de Desenvolvimento, cuja implementação vai até 2025, pode ultrapassar tais problemas. O governador em exercício do Cuanza Norte, Manuel Pereira da Silva, sublinhou que o programa foi criado pelo Executivo com a finalidade de resolver os principais problemas das comunidades.
Manuel Pereira da Silva lembrou aos administradores municipais que, mais do que apresentar balanços, é preciso mostrar resultados que ilustram o impacto da implementação do programa na vida da população. Para isso, defendeu o desenvolvimento da agricultura e a melhoria do estado das estradas, com intervenções pontuais nas vias secundárias e terciárias, de modo a facilitar a circulação de pessoas e mercadorias.
 O Programa Municipal Integrado de Desenvolvimento Rural de Combate à Pobreza começou a ser implementado em 2010 e incide nos  sectores da Saúde, Educação, Agricultura, Energia e Água, Habitação e Comércio Rural. Durante seis dias, membros da Unidade Técnica Nacional do Programa de Combate à Fome e à Pobreza visitaram os municípios de Cazengo, Lucala, Samba Cajú, Ambaca, Bolongongo, Quiculungo, Ngonguembo, Banga, Golungo Alto e Cambambe, com o objectivo de verificar os resultados das acções que estão a ser implementadas.
Participaram no encontro de Ndalatando os directores provinciais dos sectores da Saúde, Educação, Energia e Água, Comércio, Agricultura e Indústria.

Tempo

Multimédia