Províncias

Aproveitamento escolar é satisfatório

André Brandão | Ndalatando

Na província do Kwanza-Norte, 83.874 alunos obtiveram resultado positivo durante o ano lectivo de 2010, num universo de 102.180 estudantes, o que perfaz 82 por cento de sucesso escolar, assegurou ontem o director da Educação, Velinho de Barros.

Na província do Kwanza-Norte, 83.874 alunos obtiveram resultado positivo durante o ano lectivo de 2010, num universo de 102.180 estudantes, o que perfaz 82 por cento de sucesso escolar, assegurou ontem o director da Educação, Velinho de Barros.
O número de reprovados deveu-se, segundo ele, à falta de acompanhamento rigoroso dos encarregados de educação e à falta de empenho de vários professores na transmissão e orientação de conhecimentos.
Para se inverter este quadro, o governo está a criar mecanismos que vão implicar um maior grau de exigência aos professores.
Em 2010, a província funcionou com mais de mil salas nas escolas, apetrechadas com 23.130 carteiras, uma cobertura considerada pelo responsável insuficiente, em função da procura pelos alunos. Para suprir as necessidades, a província precisa de 35 mil carteiras.
O director afirmou que este ano tem o objectivo de cumprir as recomendações
da conferência de Dakar sobre o ensino ou equilíbrio de género (homens e mulheres), que recomenda que, até 2015, as salas sejam preenchidas por 50 por cento de alunas.
Garantiu que a merenda escolar, interrompida em 2012, vai ser reactivada em todos os municípios da província, para melhorar o rendimento escolar
No ano passado, mais de 70 alunos possuidores de várias deficiências frequentaram aulas, no quadro do sistema integrado do ensino geral. O governo está a construir uma escola para deficientes com seis salas, cuja inauguração está prevista para o primeiro semestre deste ano.
O responsável anunciou a realização, este ano, de um encontro provincial de sensibilização às famílias, durante o qual vão ser analisadas questões que se prendem com o ensino especial no Kwanza-Norte. O encontro tem como objectivo alertar os encarregados de educação para a necessidade de matricularem as crianças que merecem cuidados especiais no sistema normal de ensino.
Velinho de Barros informou que, em 2010, 18 mil adultos se inscreveram em aulas de alfabetização, 16 mil dos quais tiveram aproveitamento e vão frequentar o módulo dois que corresponde à terceira e à quarta classe.
Este ano lectivo pretende atingir a cifra de 20 mil alunos, orientados por 300 alfabetizadores.

Tempo

Multimédia