Províncias

Bairros de Ndalatando são requalificados

Manuel Fontoura | Ndalatando

O Governo do Cuanza Norte vai incidir  as suas acções de requalificação e melhoria da infra-estruturação dos bairros, com vista a dar dignidade às populações que vivem nas zonas urbanas e suburbanas, no quadro do Plano de Desenvolvimento Estratégico 2017/2022.

Processo começa com cadastramento do pessoal que vive em zonas com residências de carácter precário nos arredores da cidade de Ndalatando
Fotografia: Nilo Mateus | Ndalatando

A garantia foi dada ontem pelo director provincial das Obras Públicas, André Freitas Baptista de Andrade, que referiu que foi já formada uma comissão que vai trabalhar no levantamento de algumas áreas, para que no futuro possa acolher o pessoal que vive em zona de risco.
Vão ser  cadastrados o pessoal que vive em zonas com residência de carácter precário, mas, com isso, não significando a construção de novas moradias.
Do Plano Estratégico do Governo da Província, segundo o responsável, consta ainda a melhoria das ruas, vias secundárias e terciárias dos bairros periférico da cidade de Ndalatando. Sublinhou que, para o efeito, foram feito levantamento da malha rodoviária da cidade jardim e demais municípios, o que permitiu identificar os troços que devem merecer intervenções primárias e os outros a que serão feitas a posterior.
André Freitas Baptista disse que do levantamento feito concluiu-se que a malha rodoviária da província ronda os 4.104 quilómetros, 800 dos quais de estradas nacionais, 900 de estradas secundárias que ligam as sedes municipais da província e não só.
Em relação as estradas terciárias, que ligam as sedes comunais das municipais, povoações e bairros, são mais de 2.000 quilómetro.
O responsável informou que as populações continuam expectantes quanto a necessidade da reabilitação das estradas que ligam os municípios do Golungo Alto e Ngonguembo, Samba Caju-Kikulungo-Bolongongo e Samba Caju-Banga.

Dia do Construtor

O Dia do Construtor é comemorado a 3 de Dezembro. André Freitas Baptista de Andrade, reconheceu que o construtor é o conjunto de recursos humanos empregues durante os trabalhos de construção de qualquer estrutura, seja ela de betão de aço, de madeira ou outros materiais considerados como precários.
Para o responsável, o construtor é o elemento que dedica a sua vida no ramo da construção civil e obras públicas e pode ser encontrado nas áreas de exploração petrolífera, mineira, construção de casas, estradas, pontes, caminho-de-ferro, barragens e tantas outras.
O director das Obras Públicas disse que a data foi instituída no país com base numa visita de constatação das obra de construção dos edifícios e apartamentos do bairro Golfe 1, na área que circunda a vila Estoril em Luanda, efectuada pelo primeiro Presidente da República, António Agostinho Neto, a 3 de Dezembro de 1978.
Sob o lema \"Quarenta anos depois sempre presente na reconstrução e edificação do país”, André de Andrade considerou positivo o nível de construção de obras públicas na província do Cuanza Norte, e informou que existem obras que foram bem executadas e com o nível de construção aceitável, outras em que a sua execução deixa a desejar, no caso das empreitadas que em tão pouco tempos beneficiaram de reabilitação.
“Em termos técnicos quando planificamos executar determinado tipo de projecto, fazemos cálculos do tempo de durabilidade da mesma obra. O tempo de uma obra de construção civil bem executado deve ter no mínimo entre 20 a 30 anos de duração, embora receba manutenção ligeira, como pintura, reposição de uma ou outra telha, problema de vazamento na tubagem de água, mas nunca uma manutenção abrangente em toda sua estrutura”, concluiu.

Tempo

Multimédia