Províncias

Bancos disponibilizam créditos agrícolas

André Brandão | Ndalatando

Ao todo, 726 camponeses filiados em associações e cooperativas no Kwanza-Norte beneficiaram de inputs agrícolas, avaliados em cerca de 54,4 milhões de kwanzas.

Agricultores de Bolongongo e do Golungo-Alto receberam instrumentos de trabalho
Fotografia: Nilo Mateus

Ao todo, 726 camponeses filiados em associações e cooperativas no Kwanza-Norte beneficiaram de inputs agrícolas, avaliados em cerca de 54,4 milhões de kwanzas.
O presidente da União Nacional dos Camponeses Angolanos (UNAC), João Miguel, disse ontem que dos 2.214 camponeses inicialmente inscritos, apenas foram atendidos 726. Dos inputs recebidos, constam sementes de milho, feijão e batata-doce e charruas.
Os contemplados devem reembolsar o valor que corresponde até cinco mil dólares, num período de dez meses, nos balcões do Banco de Poupança e Crédito (BPC) e do Comércio e Indústria (BCI).
Numa primeira fase, disse o responsável, foram beneficiados os camponeses associados e cooperadores de três municípios (Bolongongo, Quiculungo e Golungo-Alto), dos dez que compõem a província.
A segunda fase está em preparação e vai beneficiar os camponeses cujos processos já se encontram registados pelas autoridades locais. João Miguel informou que o processo de aquisição do crédito de campanha está numa fase de adaptação, embora haja ainda agricultores que persistem em não aderir ao crédito, por acharem que os preços dos insumos são elevados.
O administrador do município do Golungo Alto, Cirilo Mateus, assegurou ser uma mais-valia a aplicação do crédito de campanha na sua municipalidade, porque vai sobretudo aumentar os níveis de produção dos camponeses e diversificar as culturas na região. O programa é acompanhado de uma componente, que visa uma agricultura mecanizada.
O administrador do município do Bolongongo, Daniel Velho, é de opinião que com o crédito cedido prevê-se, para a próxima campanha agrícola, a mecanização de 12 mil hectares de terras aráveis, que vão beneficiar cerca de 13 mil famílias camponesas e duas cooperativas. 

Tempo

Multimédia