Províncias

Cães raivosos fazem vítimas mas província tem fármacos

Entre Janeiro e Maio deste ano, morreram, na província do Kwanza-Norte, 12 pessoas vítimas de raiva, tendo ainda sido registados 336 casos de mordedura de cães.

Entre Janeiro e Maio deste ano, morreram, na província do Kwanza-Norte, 12 pessoas vítimas de raiva, tendo ainda sido registados 336 casos de mordedura de cães.
O responsável do departamento Provincial de Vigilância Epidemiológica, Alfredo Mulanvo, explicou à Angop que duas mortes ocorreram no princípio deste mês e apontou a negligência, resultante da procura tardia dos serviços de saúde, como a principal causa dos óbitos cadastrados.
Alfredo Mulanvo disse ainda que o sector está a acompanhar três pacientes que se encontram em situação de risco, depois de terem sido mordidos por cães suspeitos de estarem contaminados pelo vírus da raiva, tendo sido imunizados com a vacina anti-rábica humana.

Protecção da saúde

Alfredo Mulanvo explicou que o acompanhamento é dado apenas aos pacientes atacados por cães identificados, mas quando se trata de um animal vadio, a administração da vacina é imediata, com vista a proteger a saúde do indivíduo.
O responsável assegurou ainda que o sector dispõe de fármacos suficientes para atender todos os casos de mordeduras de cães raivosos da província.
Para inverter o quadro, disse que o sector da saúde está empenhado no reforço das campanhas de mobilização dos cidadãos sobre os cuidados a ter com os animais de estimação, para se evitarem novos casos de raiva.

Ter os animais fechados

Entre os conselhos transmitidos à população, o responsável apontou a manutenção dos animais fechados nas residências, a colocação de protecção na boca dos cães e a procura imediata dos serviços de saúde em caso de mordedura. No quadro da campanha de vacinação animal contra a raiva, Alfredo Mulanvo disse terem sido imunizados em toda a província um total de 3.841 animais de estimação, entre cães, gatos e macacos.

Tempo

Multimédia