Províncias

Cambondo com melhor qualidade de vida

Marcelo Manuel | Cambondo

A concretização do programa do Executivo de combate à pobreza na comuna de Cambondo, município do Golungo Alto, está a permitir a projecção de várias acções de desenvolvimento, principalmente no que toca à construção de aviários para a produção e comercialização de ovos, e o fornecimento de energia eléctrica e água potável.

Projecto de criação de galinhas garante a produção e comercialização de ovos na região
Fotografia: Nilo Mateus | Cambondo

De acordo com o administrador local, Adelino Segunda, no projecto avícola da comuna de Cambondo, composto por três naves de criação, cada uma com 20 metros de cumprimento e dez de largura, estão alojadas cinco mil galinhas poedeiras, que diariamente garantem a produção e comercialização de cinco mil ovos a nível de alguns mercados formais e informais de Luanda e Ndalatando, vendidos ao preço de 700 kwanzas por cartão.
O administrador comunal sublinhou que este projecto é resultante de uma parceria público-privada e que, além da produção de ovos, a região conta com um outro projecto referente à criação de suínos, com 32 cabeças.
”Estes projectos estão a ser criadas pelo Governo do Kwanza-Norte, com o objectivo fundamental de fomentar a agro-indústria no município do Golungo Alto”, explicou.

Fornecimento de água


Adelino Segunda afirmou que o fornecimento de água potável é garantido por um sistema de captação, tratamento e distribuição, projectado a partir do leito do rio Luinha, que fica a cerca de 18 quilómetros da vila e de Cambondo .
A rede de distribuição interna possui cerca de 800 metros e, além do fornecimento de água a algumas habitações, sustenta seis chafarizes a nível da sede.
A energia eléctrica na região está a ser garantida por um grupo gerador de 120 KVA, das 18h00 às 2h00. A iluminação pública na vila de Cambondo é assegurada por cerca de 70 postes.

Um posto de saúde


A circunscrição possui um posto de saúde com capacidade para 20 camas, onde funcionam dois enfermeiros. Adelino Segunda garante que são necessários mais quatro para dar resposta às necessidades técnicas do centro.
Os casos endémicos graves são evacuados para o hospital municipal do Golungo Alto ou para o provincial, em Ndalatando.
A comuna tem 12 professores, 519 alunos e 11 salas de aulas, o que, de acordo com o administrador, é insuficiente. “Na região lecciona-se da iniciação à 9ª classe. Apesar das dificuldades referidas não existem crianças fora do sistema normal de ensino”, garantiu.

Acções dos empresários


A comunidade passou recentemente a dispor de um hotel com cerca de 25 camas, que tem serviço de buffet, área de lazer, piscina para adultos e crianças, karaoke, bar e discoteca.As acções do empresariado local estão também voltadas para a construção de uma fábrica para a montagem e venda de motorizadas e bicicletas.
Adelino Segunda referiu que o comércio de bens de primeira necessidade é feito através de cinco cantinas, que vendem essencialmente óleo alimentar, arroz, massa, peixe seco, roupa, sabão, entre outros bens de primeira necessidade e material de construção .

Elefantes devastam culturas


O administrador comunal de Cambondo mostrou-se preocupado com a baixa produção agrícola registada nos últimos três anos, devido ao surgimento de várias manadas de elefantes que devoram as culturas de mandioca, batata, banana, cana-de-açúcar, mamão, abacate e cereais, produzidas pelos 1.585 habitantes locais.
A situação está a criar desalento entre os camponeses, que optam pela produção em pequena escala. O Executivo está a planear a criação de uma reserva naquela região, com o objectivo de confinar os elefantes.

Tempo

Multimédia