Províncias

Centenas de famílias estão ao relento

Manuel Fontoura | Ndalatando

As chuvas que têm caído no Kwanza-Norte desde Janeiro causaram quatro mortes e destruíram 160 casas, deixando ao relento mais de 900 pessoas, segundo o comandante do Serviço de Protecção Civil e Bombeiros, João Cassua.

As fortes chuvas que se abatem sobre o Kwanza-Norte estão a provocar sérios danos como a destruição de infra-estruturas sociais
Fotografia: Jornal de Angola

As chuvas que têm caído no Kwanza-Norte desde Janeiro causaram quatro mortes e destruíram 160 casas, deixando ao relento mais de 900 pessoas, segundo o comandante do Serviço de Protecção Civil e Bombeiros, João Cassua.
Em declarações aos jornalistas, no âmbito da semana de prevenção contra incêndios, que decorre sob o lema “Pela defesa da integridade física e património”, João Cassua indicou que, no município do Cazengo, foi feito o levantamento das zonas de risco e identificadas 718 casas em risco de desabamento.
A semana de prevenção contra incêndios tem por objectivo alertar os dirigentes, responsáveis de instituições públicas e privadas e população em geral para a importância desta questão.
João Cassua garantiu, por isso, a presença de especialistas do serviço de bombeiros em visitas, palestras dirigidas para os mercados, portos ou áreas balneares, igrejas e outros locais, para transmitir medidas preventivas para a segurança do património e da sua integridade física.
Segundo o comandante dos bombeiros no Kwanza-Norte, desde Janeiro registaram-se nos municípios do Cazengo, Cambambe, Lucala, Golungo Alto e Ngonguembo cem incêndios de pequena e média proporções, que causaram a morte de quatro pessoas e igual número de feridos, além de danos materiais calculados em mais de 12 milhões de kwanzas. Os curto-circuitos, a negligência, fugas de gás, auto inflamação, fogo posto ou acidental como as principais causas dos incêndios que afectaram os sectores residencial, dos transportes, energia, comercial, florestal e cultural.
No mesmo período, morreram 14 pessoas afogadas nos rios Kwanza e Lucala e em poços nos municípios de Cambambe, Lucala, Ngonguembo e Bolongongo. “Registaram-se, também, três derrames de combustível, 80 acidentes de trânsito que causaram 59 mortos e ferimentos em 159 pessoas, o suicídio de 14 pessoas, 12 quedas de árvores, duas fugas de gás, 42 invasões de enxames de abelhas e dois naufrágios”, sublinhou. Além disso, foram realizadas 423 actividades, entre extinções de incêndios, assistência na aterragem e descolagem de aeronaves, dispersão de enxames de abelhas, poda de árvores, desencarceramento de vítimas, evacuação de feridos e doentes, neutralização de fugas de gás, protecções, remoções de cadáveres e salvamento.

Tempo

Multimédia