Províncias

Centenas de jovens recebem formação

Manuel Fontoura | Ndalatando

O primeiro ciclo de formação profissional deste ano na província do Cuanza Norte começou na segunda-feira, com 788 jovens inscritos, dos quais 150 mulheres.

Nos pavilhões de artes e ofícios da província são ministrados vários cursos que permitem a inserção de jovens no mercado de trabalho
Fotografia: Dombele Bernardo

As aulas, nas especialidades de Alvenaria, Serralharia, Carpintaria, Informática, Corte e Costura, Decoração, Electricidade, Mecânica, Culinária e Pastelaria, vão ser ministradas por 52 formadores.
De acordo com o director do Centro de Formação Profissional do Cuanza Norte, Maurício da Costa, os centros de formação profissional espalhados por diversas zonas da província têm, nos últimos tempos, facilitado o ingresso de muitos jovens no mercado de emprego. Dos cursos ministrados nos pavilhões de artes e ofícios da província do Cuanza Norte, os relacionados com o ramo da construção civil são os mais solicitados, por oferecerem mais possibilidades de ingresso no mercado de trabalho.
A província do Cuanza Norte dispõe actualmente de 16 centros de formação profissional, sendo nove públicos e sete privados, dois dos quais pertencentes à congregação católica Dom Bosco.
Além dos centros já existentes, o município de Ambaca pode ganhar em breve um novo Pavilhão de Artes e Ofícios, a ser construído pelo Governo Provincial. Aguarda-se, também, para este ano, o início das obras de construção de um Centro de Formação Profissional no município da Banga, um Pavilhão de Artes e Ofícios no Golungo Alto, um centro de Formação Feminina em Samba Cajú e uma Escola de Formação Rural no Lucala.
Na abertura da acção formativa, o vice-governador para o sector económico, Manuel da Silva, afirmou que a inserção dos jovens no Sistema Nacional de Formação Profissional constitui uma via de mediação entre o mercado de trabalho e os jovens que procuram o primeiro emprego.
De acordo com Manuel da Silva, a concretização do programa de Governo de combate ao desemprego passa, necessariamente, pela formação profissional dos jovens, com base nos princípios de criação de mecanismos e de instrumentos legais e operacionais que asseguram aos jovens a procura do primeiro emprego.

Tempo

Multimédia