Províncias

Centro médico da Banga conta com mais serviços

Marcelo Manuel | Banga

O centro médico da Banga já conta com um laboratório para a realização de 22 análises clínicas por dia, 12 das quais de bioquímica, bem como um Banco de Sangue, com capacidade para conservar 15 bolsas, criado através do Fundo de Gestão Financeira do Município.

Novo laboratório pode fazer mais de 20 análises clínicas
Fotografia: Nilo Mateus | Edições Novembro | Banga

O laboratório funciona com três técnicos de diagnóstico e terapeuta, que, de acordo com o director municipal interino da Saúde, Tomás Quissanga, respondem às necessidades da população, principalmente, no que diz respeito aos exames de gota espessa, colesterol, ácido úrico, vidal, glicemia, hemoglobina, fezes, urina, bacteriologia, hematologia, sorologia e gravidez, tidos como os mais solicitados.

O responsável local da Saúde frisou que o sector de hemoterapia é controlado por sete técnicos, tendo avançado que, desde a abertura do Banco de Sangue na Banga, tem-se conseguido evitar a morte de crianças com anemia severa e malária grave, bem como viagens a Ndalatando, que custam sete mil kwanzas, ida e volta, além da alimentação e hospedagem.
Deu a conhecer que a maior preocupação das autoridades sanitárias locais prende-se com o reduzido número de dadores voluntários de sangue, pois, acrescentou, os poucos que aparecem são familiares dos doentes. Tomás Quissanga destacou a existência de fármacos suficientes para atender os casos de malária, febre tifoide e outras doenças correntes, até Fevereiro do próximo ano.
Fez saber que o município conta com oito unidades sanitárias, com um total de 33 camas. A de maior referência é o centro municipal, situado na sede da Banga, que funciona com os serviços de banco de emergência, laboratório, centro de aconselhamento e testagem voluntária, consultas pré-natal, sala de partos, farmácia e banco de sangue. O sector da Saúde é assegurado por 27 técnicos efectivos, dos quais três médicos, que actualmente frequentam uma formação de especialidade de cinco anos, em Luanda, 21 enfermeiros e três especialistas em análises clínicas.
Há a necessidade de pelo menos mais cinco médicos, 30 enfermeiros e a recuperação de duas ambulâncias, há muito inoperantes. Apelou às entidades governamentais no sentido de materializarem a construção de um hospital municipal e a contratação de mais m

Tempo

Multimédia