Províncias

Chuvas no Cuanza Norte desalojam várias famílias

K ÁTIA RAMOS | N’Dalatando

As chuvas que se abateram nos primeiros dias do corrente ano no Cuanza Norte provocaram o desalojamento de 156 pessoas, na sequência do desabamento de 38 residências, informaram ontem os Serviços Provinciais de Protecção Civil e Bombeiros.

Centenas de moradias ficaram destruídas
Fotografia: Kátia Ramos

As chuvas elevaram o caudal do rio Lucala, que inundou parcialmente o bairro do quilómetro 34, na zona nova do Cassualala, uma escola, um cemitério, o centro de captação de águas da região e provocaram a obstrução da Estrada Nacional 230, no troço rodoviário Cassualala/Dondo, criando embaraços significativos ao trânsito.
O soba grande da região, Agostinho Afonso, referiu que algumas fazendas e lavras localizadas à margem do rio Lucala encontram-se submersas e que a população perdeu tudo o que havia nestes campos, estando nesta altura a precisar de ajuda de emergência.
O comando dos Serviços de Protecção Civil e Bombeiros enviou técnicos para as localidades de Cangenhe, Calembe e Massangano, todas situadas à margem do rio Cuanza, para avaliar a gravidade da situação e equacionar possíveis apoios às populações.

Afogamentos em rios

O porta-voz dos Serviços de Bombeiros, André da Costa, explicou, no município de Cambambe, que foram  registados quatro afogamentos de menores em rios, charcos e valas de drenagem. Costa adiantou que quatro pessoas morreram e 29 ficaram feridas como resultado de 18 acidentes de viação, nos municípios de Cazengo, Ambaca, Lucala e Golungo-Alto.
Nos municípios de Ambaca e Cambambe foram registados dois óbitos por electrocussão, quando dois jovens tentaram puxar clandestinamente energia eléctrica de postos públicos para as suas residências, segundo André da Costa, que destacou, igualmente, cinco incêndios de pequenas proporções no Cazengo, devido a curto-circuito, fuga de gás e fogo posto, afectando três residências, duas viaturas e o ferimento de uma pessoa.
Uma pessoa, cuja residência foi invadida por abelhas, na aldeia do quilómetro onze, foi evacuada, segundo os Serviços de Protecção Civil e Bombeiros.

Tempo

Multimédia