Províncias

Circulação rodoviária mais facilitada

Marcelo Manuel|Ndalatando

A ligação rodoviária entre os municípios de Lucala, Samba-Caju e Ambaca está agora mais facilitada com a asfaltagem de um troço de 194 quilómetros da Estrada Nacional 230, constatou o Jornal de Angola.

A recuperação da estrada permite ao Governo projectar e desenvolver acções para melhoria da qualidade de vida da população
Fotografia: Nilo Mateus|Ndalatando

A estrada possui uma camada de desgaste com uma espessura de quatro centímetros e nove metros de largura que totalizam duas faixas de rodagem de 3,5 metros cada e bermas com um metro.
O director do Instituto Nacional  de Estradas de Angola, INEA, no Kwanza -Norte, Luís Mendonça, explicou que devido à crise económica mundial a empreitada iniciada em princípios de 2007 registou no ano seguinte um interregno que se prolongou até 2009.
O trabalho inclui a colocação de reflectores, separadores e aplicação de barras metálicas em várias zonas de maior risco de acidentes num percurso de seis quilómetros, segundo Luís Mendonça, que adiantou que nesta altura está para conclusão, até Dezembro, um troço de 74 quilómetros entre Samba Caju e Ambaca, que já recebeu a primeira camada de asfalto.
Revelou, igualmente, que existe um projecto para a reparação de 34 cursos de água, entre pontes, pontões e passagens hidráulicas existentes ao longo do percurso, cujas obras aguardam pela respectiva adjudicação.

Sinalização horizontal


Paralelamente à asfaltagem, 90 quilómetros desta via já possuem sinalização horizontal e vertical. “Os trabalhos de sinalização da estrada decorrem a bom ritmo”, esclareceu Carlos Ferreira, responsável da empresa que executa a empreitada. A asfaltagem do troço entre os três municípios deixa satisfeitos os automobilistas e passageiros que vêem reduzido o tempo de viagem e um menor desgaste nas viaturas.
Jorge da Silva,  motociclista da comunidade ribeirinha de Pambos de Sonhy, disse ao Jornal de Angola que, hoje, com a asfaltagem da estrada leva 30 minutos, contra as duas horas anteriores para percorrer 20 quilómetros até à vila de Ambaca. O automobilista Domingos Bento, usuário desta via há mais de cinco anos, explicou que no passado a situação era muito difícil e recordou que partia de Ndalatando às seis da manhã e só alcançava  a vila de Camabatela entre as 15 e as 16 horas, sem contar com as constantes avarias ou estoiro de pneus.
“Agora, fazemos o troço Ndalatando-Ambaca em duas horas sem grandes sacrifícios”, disse, ressaltando a circulação rápida e segura de pessoas e bens em toda província do Kwanza-Norte.
O soba de Pambos de Sonhy, Rodrigues Kudia Esteque, reconheceu que com a estrada asfaltada o Governo está em condições de projectar e desenvolver acções para a melhoria da qualidade de vida da população, sobretudo o fornecimento de bens de primeira necessidade e o transporte de material para edificação de escolas e  postos de saúde.
O soba defendeu a reabilitação da picada de 15 quilómetros que liga a localidade de Pambos de Sonhy às vilas de Samba-Caju e de Quiculungo para permitir a circulação de  pessoas e bens.

Tempo

Multimédia