Províncias

Construção de estradas e escolas marcou o ano

Isidoro Natalício, André Brandão e Marcelo Manuel |

Construção de infraestruturais escolares, sanitárias, estradas e lançamento de projectos habitacionais e industriais figuram entre as principais  realizações na província do Kwanza-Norte em 2009. Este ano, foram construídas três escolas do ensino primário, nos municípios de Samba Cajú, Cambambe (Cassoalala) e do Ngonguembo (Camame).

No âmbito do projecto de fomento habitacional várias casas estão a ser construídas para acomodar os quadros
Fotografia: André Brandão

Construção de infraestruturais escolares, sanitárias, estradas e lançamento de projectos habitacionais e industriais figuram entre as principais  realizações na província do Kwanza-Norte em 2009. Este ano, foram construídas três escolas do ensino primário, nos municípios de Samba Cajú, Cambambe (Cassoalala) e do Ngonguembo (Camame).
No município do Golungo Alto foi construída uma escola do segundo ciclo secundário com seis salas de aulas, sala de informática com 20 computadores todos ligados à Internet, um laboratório para as disciplinas de Química, Física, Biologia.
No Lucala foi ampliada a única escola do primeiro ciclo. Agora tem oito salas, quatro casas de banho e uma para professores.
Os 1.600 alunos distribuídos entre o I e II ciclo do complexo escolar “Santa Maria Goretti”, situado na Rua da Missão, em Ndalatando, têm agora um laboratório com 20 computadores ligados ao sistema de Internet avaliado em 15 mil dólares, financiados pela organização não governamental, Open Society.
O complexo escolar Santa Maria Goretti tem igualmente biblioteca com 500 livros das áreas de economia, química, psicologia, literatura angolana e enciclopédias.
A alfabetização também ganhou corpo e no final do ano estão alfabatizados 20 mil alunos contra os dez mil do ano passado, monitorizados por 300 professores, dos quais 150 beneficiaram de preparação específica.
O núcleo universitário, uma dependência da Universidade Agostinho Neto (UAN), lançou no presente ano lectivo os primeiros 262 baixareis, dos 397 que há três anos começaram a estudar português, inglês, francês, química, física ou educação de infância.
Na abertura oficial do ano lectivo 2009, o director provincial da Educação, Vicente Manuel, disse que o esforço do Governo permitiu colocar à disposição da população 157 novas salas de aulas que totalizam no geral 1.296 com capacidade para acolher 105.520 alunos.
O aumento da capacidade de absorção de alunos deu lugar à abertura de concurso público para admissão de 1.311 professores. Actualmente a província do Kwanza-Norte dispõe de 3.135 docentes.

Saúde e habitação

Os postos médicos chegaram à maioria das 26 comunas do Kwanza-Norte e estão concluídas as obras dos novos hospitais municipais em Cambambe, Cazengo e Ambaca. Os serviços provinciais de Notariado e Conservatória de Registo Civil estão a funcionar.
A província do Kwanza-Norte tem 104,8 hectares de reservas fundiárias nos oito municípios, excepto Ngonguembo, número ainda baixo pelo que se identificaram mais 2.510 hectares para urbanização, sendo 1.777 no município do Cazengo, 200 no Lucala, igual quantidade em Bolongongo e 340 em Cambambe.
A província do Kwanza-Norte está contemplada com a construção de 3.500 casas com participação do sector público, privado, cooperativa e autoconstrução, com a supervisão do Estado, no âmbito do programa nacional de urbanismo e habitação.
O desempenho da economia no Kwanza-Norte foi também marcado com o crescimento da banca, indústria, energia eléctrica, água potável, habitação e o desenvolvimento e criação de gado bovino.
Três novas agências bancárias surgiram na província, duas do Banco de Poupança e Crédito (BPC) em Ndalatando e Camabatela. Na sede do município de Ambaca também abriu uma agência do Banco “BIC”.
As novas agências bancárias geraram 20 postos de trabalhos directos e, fruto da bancarização dos salários, os trabalhadores da função pública dos municípios de Samba Cajú, Ambaca, Kikulungo, Bolongongo e Banga recebem os salários nas sedes dos seus municípios.
A fonte de Santa Isabel, em Ndalatando, está a engarrafar 120 mil litros de água mineral por dia. Na capital provincial a oferta de água aumentou com o arranque, em Março, da primeira fase do sistema de captação com capacidade de 90 litros por segundo a partir do rio Mucari, 16 quilómetros a Norte da capital provincial.
Os trabalhos integram a reabilitação de 7,5 km de tubagem em “PVC” além da nova captação, conduta adutora e estação de tratamento orçada em 10,3 milhões de dólares. A próxima etapa é a distribuição ao domicílio.
Actualmente com mais de 150 mil habitantes, Ndalatando tem duas condutas construídas na década de 50, sendo uma de água mineral, a partir da fonte de Santa Isabel, e outra do Monte Redondo.
As principais vias que atravessam o Kwanza-Norte continuam em obras de alargamento e asfaltagem. Também decorrem obras nas ruas das cidades de Ndalatando e Dondo.
O programa de estradas contempla também os itinerários de Maria Teresa a Kachilo, Ndalatando ao Golungo Alto, Alto Dondo a S. Pedro da Quilemba, Lucala a Negage, Samba Cajú, Banga, Kikulungo, Bolongongo até à comuna de Terreiro.
Na região dos Dembos, norte da província, estão a ser terraplanadas as picadas do Ngonguembo, da comuna de Kambondo até à Cerca e Beira Alta, do Golungo Alto ao Kamuachi e do Golungo Alto a Kamame e Banga, num total geral de 750 quilómetros de estradas. Cresceu o número de bairros nos municípios de Cazengo, Cambambe e Lucala que beneficiam de corrente eléctrica gerada nas barragens de Cambambe e Kapanda, fruto da construção e reparação de postos de transformação e linhas de transporte. Nas restantes sedes municipais Banga, Samba Cajú, Ambaca e Bolongongo foram instalados sistemas alternativos de fornecimento de energia eléctrica. Estão concluídas as primeiras 50 casas do projecto habitacional “Angola Jovem” que custaram 30 mil dólares cada, pagáveis num período até 20 anos.
O ano de 2009 testemunhou o ressurgimento de um hotel, em Ndalatando, o Miradouro, com 37 quartos. A província tem disponíveis 337 quartos, a maioria em pensões.
Os sinais da Televisão Pública de Angola, da Rádio Nacional de Angola e de telefonia móvel cobrem a totalidade da província.

Tempo

Multimédia