Províncias

Construção de mais salas melhora sistema de ensino

Um total de 133  novas escolas de diversos níveis de ensino  foram construídas pelo Governo Provincial do Cuanza Norte em 40 anos de Independência Nacional, revela em relatório tornado público ontem a Direcção Provincial do Cuanza Norte da Educação.

A província conta com 233 escolas, das quais 199 são do ensino primário, 20 do I ciclo e 14 do II ciclo, realçando haver escolas do I ciclo instaladas em todas as sedes comunais e do II em todas as sedes municipais, destaca o relatório, que sublinha que após  2002 foram construídos um Instituto Médio Agrário, com 17 salas de aulas, uma escola de formação de técnicos de saúde, com 15 salas, um magistério primário, com sete salas, e um Instituto Médio Politécnico.
Um Instituto Médio Politécnico no município de Quiculungo, com seis salas, e uma escola do II ciclo no Golungo Alto, também com seis fazem igualmente parte das novas infra-estruturas educativas construídas nesse período.
Os investimentos feitos no sector, refere o relatório,  permitiu matricular 143.000 alunos nos mais diversos subsistemas de ensino, assegurados por 4.040 professores, a maioria dos quais a leccionar no ensino primário, contra os cerca de 300 técnicos que asseguravam o ensino no período antes da proclamação da Independência Nacional.
A província do Cuanza Norte conta, fruto da independência  Nacional e da expansão do ensino superior, com 1.180 professores com nível de bacharelato, 275 licenciados e 18 mestres contra apenas quatro docentes com nível superior que a região tinha até 2005. Até 1975  o ensino na província era assegurado  por monitores e professores de posto.
Durante os 40 anos de Independência Nacional a província pode orgulhar-se da criação de duas instituições de ensino superior, sendo uma Escola Superior Pedagógica e uma Politécnica que ministram   licenciaturas nas mais variadas áreas do saber, continua o relatório da Direcção Provincial do Cuanza Norte da Educação.

Aposta na Educação

Entre as apostas do sector para os próximos anos, o documento aponta a continuidade da formação de quadros, elevação das condições de vida dos funcionários do ramo de modos a desempenharem as suas atribuições com maior responsabilidade e profissionalismo, entre outras acções.
A província do Cuanza Norte, cuja sede, Ndalatando, dista  190 quilómetros de Luanda, é habitada por 427.971 habitantes (dados preliminares do Recenseamento Geral da População e Habitação-2014), distribuídos por dez municípios e 31 comunas.
A província é constituída pelos municípios de Cazengo (município sede), Cambambe, Ambaca, Golungo Alto, Samba Caju, Quiculungo, Ngonguembo, Bolongongo, Banga e Lucala.

Tempo

Multimédia