Províncias

Crédito agrícola estimula produção

Manuel Fontoura| Ndalatando

O Governo Provincial do Kwanza-Norte concede no final deste mês de Julho aos agricultores da província, um crédito de 500 mil dólares com vista a estimular a actividade agrícola, anunciou na última sexta-feira, em Ndalatando, o governador provincial, Henrique André Júnior.

Governo atribuiu a si a responsabilidade de fomentar a agro-pecuária através do fornecimento de meios de produção
Fotografia: Nilo Mateus

O Governo Provincial do Kwanza-Norte concede no final deste mês de Julho aos agricultores da província, um crédito de 500 mil dólares com vista a estimular a actividade agrícola, anunciou na última sexta-feira, em Ndalatando, o governador provincial, Henrique André Júnior.
O governador do Kwanza-Norte assegurou, num encontro com agricultores, que “temos 500 mil dólares que vamos colocar à disposição das associações de camponeses”, para a aquisição de materiais e incentivo à produção alimentar. A verba pode ser ajustada, “caso haja disciplina no uso dos meios que forem sendo adquiridos, assim como no cumprimento da liquidação dos empréstimos”.
O dinheiro chega aos beneficiários através da aquisição de instrumentos agrícolas e é disponibilizado sem juros, “logo que os camponeses concluam a formação de uma associação”, prevista para o final do corrente mês. 
O governador do Kwanza-Norte, Henrique Júnior, desafiou os pequenos e médios agricultores da província a concorrerem com os outros lavradores das províncias vizinhas no fornecimento de produtos aos mercados do Kwanza-Norte.
“Verificamos que a maioria, senão todos os produtos agrícolas comercializados nos principais mercados da nossa província, vêm das províncias vizinhas, sobretudo do Kwanza-Sul, um quadro que deve ser contrariado, através do fomento da actividade agrícola na nossa região, que passa pela potenciação dos agentes agrários”, afirmou.
O governador disse que é necessário a organizar os agricultores em associação, para uma melhor gestão dos apoios que o Governo Provincial vier a disponibilizar e para suprir as dificuldades com que se debatem os agricultores da província.
No encontro ficou acordado que o valor a ser deduzido da compra, pelo Governo Provincial, de sementes, adubos e fertilizantes é reembolsado num período de 30 meses e os beneficiários estão isentos do pagamento de juros.
Foi também garantida a intervenção do Governo provincial junto dos bancos, para facilitar o acesso dos agricultores aos créditos bancários, e para subvenção da lavoura de mil hectares sem quaisquer custos para os beneficiários.
A subvenção vai abranger a preparação de 800 hectares de terras simples e 200 de derruba, em campos agrícolas que possuam matas ou arvoredos.

Estratégia local

O director provincial da Agricultura e Desenvolvimento Rural, Humberto Mesquita, disse que o encontro entre o governador e os agricultores se enquadra na estratégia do Executivo local tendente ao alcance da suficiência alimentar, a curto prazo, sobretudo com o cultivo de produtos alimentares essenciais.
Disse que o Governo tem o controlo de 90 grandes e médios produtores, mas o pacote financeiro pode abranger apenas 30, sobretudo aqueles que primam por uma lavoura “em grande escala”.
 “Vamos trabalhar para a selecção de agricultores que se encontram empenhados nesta actividade e que possuam um número de empregados e quantidade de áreas cultivadas aceitáveis”, referiu. 
Acrescentou que o encontro entre o governador e os camponeses serviu também para o relançamento das bases de preparação do ano agrícola na província do Kwanza-Norte, cujos indicadores produtivos considerou animadores.


 Brigadas de apoio

O director provincial da Empresa de Mecanização Agrícola, Mecanagro, Orlando Pacavira, revelou a criação de duas brigadas, com cinco tractores cada, para apoiar a preparação de terras no presente ano agrícola. Uma está baseada no município do Lucala e a outra em Samba Cajú.
Foram também seleccionados alguns agricultores para fazerem parcerias com o Governo Provincial nos municípios de Cambambe, Golungo Alto, Ambaca, Banga, Bolongongo e Cazengo, com o propósito de estimular a actividade da preparação dos solos para a produção de alimentos.
Os parceiros de Cambambe, Golungo Alto e Ambaca recebem três tractores cada um, os do Cazengo cinco, Banga dois e Bolongongoe três, para aumentar as áreas preparadas mecanicamente e ajudar no fomento da produção agrícola.
Os camponeses interessados na ajuda das máquinas devemo contribuir com um valor de 20 mil kwanzas para as operações básicas e cinco mil para abertura de regas.
Orlando Pacavira assegurou que já está planificada a preparação de dois mil hectares de terras. Deu a conhecer que os custos de preparação das terras para o próximo ano agrícola vão ser reduzidos de 300 dólares, para 200. “O propósito é mobilizar o maior número possível de pessoas na produção agrícola”, disse Orlando Pacavira

Agricultores confiantes

O agricultor Artur Ferreira de Almeida, do município do Cazengo, disse ao nosso jornal que é “boa e pioneira” a iniciativa do Governo provincial, e vai contribuir consideravelmente para o desenvolvimento da agricultura no Kwanza-Norte. “Há 30 anos que faço agricultura e é a primeira vez que isto acontece. É a primeira vez que um governador se reúne e promete ajuda financeira aos agentes agrários. Se isso efectivamente se concretizar, e estou certo que sim, vai dar muitas vantagens aos agricultores”.
Artur Ferreira de Almeida realçou que “finalmente, está na forja um crédito que é realmente vantajoso, que me permite a contratar mais força de trabalho, aumentar as áreas de cultivo e obter quantidades adicionais de sementes e instrumentos agrícolas”.
O trabalho agrícola feito manualmente impede que se alcancem níveis aceitáveis de colheita de alimentos, disse o agricultor.   “Quando lavramos um hectare de terra à mão, como fazemos hoje, não temos o mesmo rendimento que utilizando meios mecânicos”, sublinhou Artur Ferreira de Almeida, considerando péssima a situação em que actualmente os agricultores exercem as suas actividades.  
 Alfredo Francisco, agricultor de Cambambe, destacou que o auxílio do Governo Provincial visa satisfazer as necessidades dos agricultores locais e estimular a produção, factores importantes para o combate à fome e à pobreza.
“O apoio é bem-vindo porque, na ausência das alfaias, lavravamos a terra com a força manual, enxadas e picaretas, que são incapazes de satisfazer os desafios da produção de alimentos em grande escala”, disse.
Lembrou que é muito importante o fornecimento, pelo Governo Provincial, dos tractores, alfaias e outros meios normalmente usados na agricultura moderna.
Neste momento, os agricultores da província do Kwanza-Norte estão eufóricos e esfregam as mãos de contentamento. A expectativa abarca toda a população e nunca um ano agrícola foi aguardado com tanta esperança.

Tempo

Multimédia