Províncias

Denúncia de irregularidades em várias empresas privadas

André Brandão | Ndalatando

O director provincial do Kwanza-Norte da Administração Pública, Emprego e Segurança Social (APESS), Pedro João Fula, revelou domingo a existência, na província, de muitos funcionários públicos e privados que não estão cadastrados no Instituto Nacional de Segurança Social, por alegada falta de interesse e irresponsabilidade dos seus empregadores.

O director provincial do Kwanza-Norte da Administração Pública, Emprego e Segurança Social (APESS), Pedro João Fula, revelou domingo a existência, na província, de muitos funcionários públicos e privados que não estão cadastrados no Instituto Nacional de Segurança Social, por alegada falta de interesse e irresponsabilidade dos seus empregadores.
Falando à imprensa no final do acto provincial do 1 de Maio, Dia Internacional do Trabalhar, que decorreu no município do Lucala,  37 quilómetros a leste de Ndalatando, Pedro João Fula considerou grave a situação e punível legalmente.
Frisou que o Executivo está a trabalhar afincadamente para a breve prazo acabar com essa prática, menos abonatória para o próprio Estado e para os empregados mergulhados nesta problemática.
Segundo disse, a APESS, em colaboração com a polícia económica e o Ministério do Comércio, estão a levar a cabo, no Kwanza-Norte, uma série de fiscalizações nos serviços públicos e privados, para analisar o grau de funcionalidade e as condições dos trabalhadores, para posteriormente poder aplicar as multas. Pedro Fula referiu que o Executivo tem feito tudo para a programação dos salários, formação dos funcionários públicos, bem como criou um centro de saúde de medicina de trabalho, que funciona em Luanda, que pode estender-se, sem data estabelecida, para as outras províncias.
Pedro Fula fez saber que a província do Kwanza-Norte vai ter, no próximo ano, uma representação dos Serviços Integrados de Atendimento ao Cidadão (SIAC), que vai centralizar vários órgãos de serviços públicos, desde os bancos, Serviços de Emigração e Estrangeiros, seguros e outros.
Segundo o responsável, este ano  Kwanza-Norte vai admitir cerca de dois mil funcionários públicos nos diferentes sectores, tendo apontado que a província tem défice de pessoal em todos os níveis.
Pedro Fula disse ainda que é também intenção  da direcção do MAPESS na província do Kwanza-Norte criar, no segundo trimestre do corrente ano, um centro de empreendedorismo.
O secretário-geral da União dos Sindicatos dos Trabalhadores, José Fernando Matias, disse que, apesar de algumas dificuldades, a vida dos trabalhadores no país, em particular nesta região, melhorou significativamente ao longo dos anos, fruto das políticas definidas pelo Executivo.

Tempo

Multimédia