Províncias

Distribuição de merenda escolar ajuda processo de aprendizagem

Manuel Fontoura |Ndalatando

A distribuição da merenda escolar no Kwanza-Norte contribui para melhorar o aproveitamento escolar, disse, na sexta-feira, ao Jornal de Angola, o director provincial da Educação. Velinho Barros afirmou que o programa de merenda escolar beneficia cerca de 23 mil alunos dos municípios de Cazengo, Cambambe, Lucala, Quiculungo, Bolongongo e Golungo Alto.

Milhares de crianças estão a beneficiar do projecto de distribuição de lanches
Fotografia: Jornal de Angola

A distribuição da merenda escolar no Kwanza-Norte contribui para melhorar o aproveitamento escolar, disse, na sexta-feira, ao Jornal de Angola, o director provincial da Educação. Velinho Barros afirmou que o programa de merenda escolar beneficia cerca de 23 mil alunos dos municípios de Cazengo, Cambambe, Lucala, Quiculungo, Bolongongo e Golungo Alto.
No início do programa na província, em 2007, referiu, apenas dez mil alunos do Cazengo recebiam merenda escolar, mas no ano passado o número de municípios contemplados aumentou e o de crianças passou para 13 mil.
No âmbito do Programa Integrado de Desenvolvimento Rural e de Combate à Pobreza, declarou, vai ser feito um esforço para a merenda escolar passar a ser distribuída nos municípios ainda não contemplados.

Comuna de Camame

Camame, município de Ngonguembo, regista progressos graças ao Programa Integrado de Combate à Fome e à Pobreza, estando prevista a construção de um centro de saúde, cujas obras começam em breve, disse, ao Jornal de Angola, o administrador comunal.
 A região tem um posto médico, recentemente reabilitado e ampliado, cujo funcionamento é garantido por dois enfermeiros.
António Kafukena afirmou que estão a ser construídos na comuna dois postos de saúde, um no sector de Cafuta e outro, no bairro Mussussu, a 22 quilómetros da sede comunal.
Quanto à educação, referiu, há 430 alunos matriculados e 20 professores.  “No ano passado foi construída, na sede da comuna, uma escola com quatro salas, cada uma delas com capacidade para 50 alunos, mas, por falta de professores, continua a haver muitas crianças que continuam fora do sistema normal de ensino”, lamentou o administrador.

Tempo

Multimédia