Províncias

Distribuídos produtos para purificar a água

Kátia Ramos

As autoridades sanitárias da província do Kwanza-Norte, em cooperação com os especialistas cubanos de controlo biológico de vectores, estão desde segunda-feira a distribuir às populações de Ndalatando cloro, bactivec, labiofam e larvicida biológico, como Bio-Rat, para tratamento da água.

As autoridades sanitárias da província do Kwanza-Norte, em cooperação com os especialistas cubanos de controlo biológico de vectores, estão desde segunda-feira a distribuir às populações de Ndalatando cloro, bactivec, labiofam e larvicida biológico, como Bio-Rat, para tratamento da água.
A acção, que se enquadra nas campanhas de luta contra as doenças hídricas, de acordo com o especialista cubana, Luís Gustavo, visa fundamentalmente a luta pela erradicação da malária e as doenças subjacentes à contaminação pelo anopheles (mosquito transmissor do paludismo). Luís Gustavo esclareceu que este projecto de luta anti-vectorial já decorre em todas as províncias de Angola e particularmente no Kwanza-Norte o projecto está a ser implementado desde Abril de 2009, para que os especialistas possam trabalhar em doenças transmitidas por vectores, como a malária, febre amarela e outras.
Acrescentou que actualmente estão também a trabalhar num vector chamado mosquito de espécie Nofenina, por ser causador da malária, tendo em conta o início do tempo chuvoso. Além disso, estão a usar mochilas pulverizadoras para matar as larvas de mosquitos e outros insectos que residem nas lagoas, valas ou em águas paradas nas ruas, acções que devem ser intensificadas.
Luís Gustavo mostrou-se satisfeito pela redução de 1.885 para 183 o número de casos de paludismo no hospital provincial, entre Janeiro e Outubro deste ano, e acrescentou que em todos os municípios existe um especialista a trabalhar no projecto com a mesma finalidade, estando a contar com a colaboração de 100 pessoas, através da direcção local da Saúde.
Sem avançar o número de medicamentos até aqui já distribuídos em toda a província, referiu que, devido à chuva que se abateu na terça-feira, no município do Cazengo, distribuíram, no bairro 28 de Agosto, nos arredores da cidade de Ndalatando, mais de 8.600 comprimidos de cloro, nove mil caixas de bactivec e 7.593 outras de Bio-Rat.
O médico disse ainda que o produto mais usado, nos últimos tempos, tem sido a mochila pulverizadora, que serve para matar mosquitos e larvas com produtos biológicos especializados (bativelque e gricelevic). Estes medicamentos só eliminam mosquitos reprodutores em águas paradas, sem, no entanto, afectar a pele das crianças e outras pessoas que possam entrar em contacto com os referidos locais.

As autoridades sanitárias da província do Kwanza-Norte, em cooperação com os especialistas cubanos de controlo biológico de vectores, estão desde segunda-feira a distribuir às populações de Ndalatando cloro, bactivec, labiofam e larvicida biológico, como Bio-Rat, para tratamento da água.
A acção, que se enquadra nas campanhas de luta contra as doenças hídricas, de acordo com o especialista cubana, Luís Gustavo, visa fundamentalmente a luta pela erradicação da malária e as doenças subjacentes à contaminação pelo anopheles (mosquito transmissor do paludismo). Luís Gustavo esclareceu que este projecto de luta anti-vectorial já decorre em todas as províncias de Angola e particularmente no Kwanza-Norte o projecto está a ser implementado desde Abril de 2009, para que os especialistas possam trabalhar em doenças transmitidas por vectores, como a malária, febre amarela e outras.
Acrescentou que actualmente estão também a trabalhar num vector chamado mosquito de espécie Nofenina, por ser causador da malária, tendo em conta o início do tempo chuvoso. Além disso, estão a usar mochilas pulverizadoras para matar as larvas de mosquitos e outros insectos que residem nas lagoas, valas ou em águas paradas nas ruas, acções que devem ser intensificadas.
Luís Gustavo mostrou-se satisfeito pela redução de 1.885 para 183 o número de casos de paludismo no hospital provincial, entre Janeiro e Outubro deste ano, e acrescentou que em todos os municípios existe um especialista a trabalhar no projecto com a mesma finalidade, estando a contar com a colaboração de 100 pessoas, através da direcção local da Saúde.
Sem avançar o número de medicamentos até aqui já distribuídos em toda a província, referiu que, devido à chuva que se abateu na terça-feira, no município do Cazengo, distribuíram, no bairro 28 de Agosto, nos arredores da cidade de Ndalatando, mais de 8.600 comprimidos de cloro, nove mil caixas de bactivec e 7.593 outras de Bio-Rat.
O médico disse ainda que o produto mais usado, nos últimos tempos, tem sido a mochila pulverizadora, que serve para matar mosquitos e larvas com produtos biológicos especializados (bativelque e gricelevic). Estes medicamentos só eliminam mosquitos reprodutores em águas paradas, sem, no entanto, afectar a pele das crianças e outras pessoas que possam entrar em contacto com os referidos locais.

Tempo

Multimédia