Províncias

Educação e Saúde são as áreas prioritárias

Manuel Fontoura | Ndalatando

A Organização Não-Governamental Ajuda de Povo para Povo (ADPP) e o governo provincial do Kwanza-Norte rubricara recentemente em Ndalatando um protocolo de intenções de projectos nas áreas de educação, saúde, artes e ofícios e agricultura.

Presidente do Conselho de Administração da ADPP Rikke Viholm e o governador Henriques Júnior por altura da assinatura do memorando
Fotografia: Manuel Fontoura

A Organização Não-Governamental Ajuda de Povo para Povo (ADPP) e o governo provincial do Kwanza-Norte rubricara recentemente em Ndalatando um protocolo de intenções de projectos nas áreas de educação, saúde, artes e ofícios e agricultura.
 O presidente do Conselho da Administração da ADPP, Rikke Viholm, disse que a assinatura do referido protocolo vai permitir o alargamento dos projectos  a serem desenvolvidos no país e no Kwanza-Norte, em particular.
Numa altura que a ADPP comemora 25 anos de existência em Angola, disse, com este acordo vai ser possível dar outros passos para, em parceria com as autoridades da província, poder fazer-se mais para o desenvolvimento desta região.
Rikke Viholm anunciou para breve a conclusão da escola para professores do futuro no município do Lucala, a leste de Ndalatando. “Tão logo isso aconteça, mais professores são formados para as diferentes comunidades da província, para além da disponibilidade em atacar outras áreas estabelecidas no protocolo.”
Afirmou que nas áreas de desenvolvimento rural e educação os trabalhos devem iniciar este ano no município do Golungo Alto, com um programa que tem como meta a alfabetização de 11 mil adultos.
O pca da ADPP referiu que a sua organização, para além da vasta experiência que detém na área de formação, desenvolve um programa relacionado com as grandes endemias, como sida, malária, tuberculose e tripanossomíase, no âmbito do projecto denominado Total Controlo das Epidemias.

Agricultura

Quanto à agricultura, o protocolo contempla um programa de apoio a pequenos agricultores ou agricultores familiares, numa parceria com o Ministério da Agricultura. “Temos um programa para a formação de agricultores para aumentarem a sua produção, para além de outras acções desenvolvidas pelo Executivo relacionadas com o fornecimento de inputs  e  microcrédito”, disse Rikke Viholm.
Sublinhou que para a ADPP a prioridade é o próprio camponês ou pequeno agricultor, que “precisa de mais treinamento, organização e acompanhamento”.
  Para o governador provincial do Kwanza-Norte, Henrique André Júnior, a assinatura do memorando é um importante ganho para a província, pelo que agradeceu a disponibilidade da ADPP, com a esperança de que, a breve trecho, comece a preparação para o recrutamento dos jovens para a escola de formação de professores.  
Henrique Júnior mostrou-se igualmente satisfeito pelo pacote global que a ADPP traz para a província relativamente à luta contra a malária, sida, tuberculose e tripanossomíase. 
Augurou, por isso, muito trabalho e empenho das partes (ADPP e governo provincial), para a erradicação rápida desses males, que “muito afligem as populações desta província”.Presente em Angola desde 1995, a ADPP tem 12 escolas, tendo já formado 326 professores. Em 2010, a organização lançou para o mercado de emprego 45 novos professores e este ano 24. Para estes projectos, a ADPP tem disponíveis mais de três milhões de dólares .

Tempo

Multimédia