Províncias

Elefantes destroem lavras e riachos

André Brandão | Ndalatando

Mais de 380 famílias afectadas pela destruição das suas lavras pelos elefantes nas comunas de Cambondo, Cerca e áreas limite de Kiluange, no município de Golungo-Alto, foram apoiadas com bens alimentares diversos e roupas usadas pelo Governo local, neste fim-de-semana.

Vice-governador do Kwanza-Norte foi ao campo constatar estragos dos elefantes
Fotografia: André Brandão

Mais de 380 famílias afectadas pela destruição das suas lavras pelos elefantes nas comunas de Cambondo, Cerca e áreas limite de Kiluange, no município de Golungo-Alto, foram apoiadas com bens alimentares diversos e roupas usadas pelo Governo local, neste fim-de-semana.
Uma comissão do Governo local, encabeçada pelo vice-governador para a área económica e social, Manuel de Abreu, deslocou-se ao local para avaliar o grau de destruição causada pelos animais e dar o devido apoio aos sinistrados.
Para se inteirar com maior precisão do problema, Manuel de Abreu, na companhia dos camponeses da região afectada, percorreu os campos agrícolas destruídos e analisou minuciosamente a situação que considerou preocupante.” È preocupação do governo da província prestar atenção à situação e criar formas de afastar os elefantes destas áreas”, salientou.
 Manuel de Abreu orientou a população no sentido de afugentar os animais com as medidas tradicionais, como o uso de fogueiras, a queima de pneus, batida de latas, abertura de desfiladeiros e estatuetas pré-fabricadas.
“Se estes métodos não funcionarem, o Governo da província vai pedir apoio ao Ministério da Agricultura, no sentido de se fazer um estudo para saber que medidas poderão ser tomadas”, disse.
Dados do IDF indicam que os elefantes começaram a destruir as lavras em Janeiro passado e recentemente, no dia 5 de Maio, voltaram a atingir cerca de 216 lavras nas localidades próximas de Quibilo, Pentamidina, Catete, Sala Cabanga e Caleba, comuna da Cerca.
Já nas Comunas de Cambondo, nas áreas de Caxilo, Kiaula e Triângulo, os animais devastaram 114 lavras e destruíram parcialmente outras 50 nas localidades de Mutexa, Bungo, Banza Kiluange Kiluange.
De acordo com o IDF, supõe-se que os elefantes fizeram destas áreas o seu habitat, uma vez que se movimentam nelas com as suas crias, a cerca de 300 ou 400 metros das aldeias. As investidas dos elefantes começa a ser considerada grave, pelo facto da população estar já a reclamar de fome.

Tempo

Multimédia