Províncias

Elefantes destroem lavras em Bula Atumba

Alfredo Ferreira| Bula Atumba

Manadas de elefantes têm estado a destruir campos agrícolas de fazendeiros e camponeses que trabalham em cooperativas de Caculo Cahenda, localidade  a cerca de 23 quilómetros da sede municipal de Bula Atumba, na província do Bengo.

Vários camponeses e responsáveis de fazendas disseram ao Jornal de Angola  que as culturas mais afectadas são os bananais, palmares, lavras de mandioca, ginguba, batata-doce, cafezais e mangueiras.
Manuel António Mussengue, proprietário da fazenda “Ngongo”, disse que cultivou num espaço de 50 hectares vários produtos agrícolas mas a invasão dos elefantes destruiu grande parte do plantio, explicando que os elefantes saem da zona fronteiriça entre a Província do Cuanza Norte e o Município de Bula Atumba  e arrasam todos os produtos, deixando pelo caminho árvores enormes arrancadas, que dificultam a passagem dos camponeses da região.
A situação, disse, ameaça as colheitas das famílias das cooperativas locais, constituídas na sua maioria por viúvas e ex-militares.
Maria Augusta Maze, camponesa, disse que cultivou mandioca, bananas, limoeiros e ginguba, mas grande parte da produção foi arrasada pelos elefantes e a que conseguiu retirar trocou por alimentos e vestuário.
Explicou que se não houver uma intervenção da administração municipal a região corre o risco de enfrentar escassez alimentar.
O director provincial da Agricultura do Bengo, Faustino Gonga, disse que a situação é preocupante e pede aos camponeses para afugentar os elefantes  utilizando objectos que provoquem ruído e cercas de arame farpado.
O administrador municipal-adjunto de Bula Atumba, José António Vieira, disse que não há vítimas, mas solicitou a intervenção dos fiscais do Instituto de Desenvolvimento Florestal (IDF) para levarem os elefantes para os parques nacionais, para a protecção da espécie ameaçada pelos caçadores furtivos.
Na região norte da província  do Bengo várias espécies animais, como macacos e elefantes, estão ameaçadas pela acção dos caçadores furtivos.

Tempo

Multimédia