Províncias

Famílias no Cuanza Norte recebem apoios do Estado

Manuel Fontoura | Ndalatando

Direcção Provincial da Assistência e Reinserção Social do Cuanza Norte apoiou no ano passado, 25.­690 pessoas no quadro do seu programa de apoio a cidadãos com elevado grau de vulnerabilidade.

Pessoas vulneráveis recebem vários apoios
Fotografia: Nilo Mateus | Ndalatando

A directora provincial do Cuanza Norte do MINARS, Lídia Martins, informou que foram apoiadas directamente 2.178 pessoas portadoras de deficiência, 9.576 idosos, 6.086 crianças órfãs, 950 crianças nas creches, centros infantis e escolas comunitárias, 924 desamparados e 25 refugiados vindo da República Democrática do Congo, Botswana e Namíbia.
Também receberam apoio do Governo 2.911 famílias de baixos rendimentos, 241 mães solteiras desempregadas, 507 viúvas e 2.205 desmobilizados.
Lídia Martins sublinhou que a Direcção da Assistência e Reinserção Social no Cuanza Norte recebeu neste período, da Fundação Lwinni conservas de peixe, leite em pó, chouriços, salsichas, arroz, fuba de milho, sal, açúcar e óleo alimentar, que foram distribuídos a pessoas vulneráveis em diferentes localidades da província.
A directora do MINARS referiu que também foi distribuída roupa, chapas de zinco, material didáctico para os centros infantis comunitários, moinhos, utensílios de cozinha, cadeiras de rodas, triciclos manuais, canadianas para adultos e crianças, caixas de sabão e atados de cobertores.
A província do Cuanza Norte dispõe de seis Centros Infantis e Escolares Comunitários em Ndalatando, Cambambe, Lucala e Quiculungo. 
A creche da cidade de Ndalatando tem capacidade para 950 crianças. Lídia Martins revelou que no ano passado foram realizadas visitas domiciliares, palestras sobre os cuidados básicos de saúde, violência no género e contra as criança e idosos, envolvendo 739 pessoas, das quais 148 adolescentes. 
“Destas visitas constatamos a necessidade de incrementar o registo
de nascimento gratuito para pessoas vulneráveis, idosos, deficientes e órfãos, a extensão e melhoramento dos serviços de saúde, educação, água potável e melhoramentos nas vias de acesso”, referiu Lídia Martins, acrescentando que 141 famílias afectadas pelas chuvas e incêndios receberam chapas de zinco, cobertores e roupa.

Tempo

Multimédia