Províncias

Financiamento dá impulso à implementação de obras

André Brandão | Ndalatando

O Fundo de Apoio Social (FAS) financiou, na província do Cuanza Norte, um total de 14 projectos de carácter social, durante o período 2015/2016, avaliados em cerca de 377 milhões de kwanzas, revelou ontem, em Lucala, o responsável local da instituição.

Leonel Silva disse que os referidos projectos executados têm a ver com infra-estruturas escolares, postos médicos, centros infantis, sistemas de fornecimento e abastecimento de água e latrinas comunitárias, entre outros.
Além disso, o responsável provincial avançou que o FAS, no Cuanza Norte, dispõe de outros 19 projectos em execução, avaliados em 615 milhões de kwanzas, para o período  de 2016/2017.
Para o próximo ano, Leonel Silva avançou que o FAS pretende investir um total de 858 milhões de kwanzas em 16 novos projectos, ainda por identificar.
O responsável do FAS forneceu os referidos dados durante a inauguração de uma escola primária, no barro Dundo ya Mutulo, com capacidade para 730 alunos. As obras da instituição orçaram em 33 milhões e meio de kwanzas.
A referida escola foi inaugurada pelo vice-governador provincial do Cuanza Norte para o sector Político e Social, José Alberto Kipungo, no âmbito das celebrações de mais um aniversário da Independência Nacional, que se celebra hoje.
José Alberto Kipungo informou que a construção da escola primária se enquadra igualmente no programa do governo local, que visa dar maior dignidade e conforto aos alunos e professores.
O dirigente pediu igualmente a todos os munícipes para participarem na preservação do empreendimento, para que o mesmo possa servir a alunos de outras gerações.
O vice-governador salientou que outros projectos de construção de escolas primárias estão a ser desenvolvidos em todos os municípios da província do Cuanza Norte.
O responsável municipal da Educação, Domingos Manuel João, avançou que, com a entrada em funcionamento da referida instituição escolar, Lucala passa a contar com 85 salas de aula.
Neste ano lectivo, prestes a terminar, a municipalidade matriculou 7.922 alunos, que têm aulas asseguradas por 223 professores.
Domingos Manuel João revelou que a maior preocupação para o sector tem a ver com a necessidade de admissão de 55 professores e a construção de 35 salas de aula, bem como a reabilitação de outras instituições de ensino que se encontram em situação precária.

Tempo

Multimédia