Províncias

Governador afirma que comboio promove progresso

Marcelo Manuel | Ndalatando

A circulação do comboio é uma lufada de ar fresco na economia da Kwanza-Norte, pelo facto de facilitar as trocas comercias com Luanda, catapultando a região para o desenvolvimento sustentado e para a melhoria da qualidade de vida da população, afirmou o governador Henrique André Júnior.

O comboio de passageiros que vai fazer o percurso Luanda/Malange pasando por Ndalatando vai permitir uma viagem confortável
Fotografia: Nilo Martins

A circulação do comboio é uma lufada de ar fresco na economia da Kwanza-Norte, pelo facto de facilitar as trocas comercias com Luanda, catapultando a região para o desenvolvimento sustentado e para a melhoria da qualidade de vida da população, afirmou o governador Henrique André Júnior.
O governador do Kwanza-Norte fez estas declarações aos jornalistas em Ndalatando, durante a abertura oficial da circulação do comboio, entre as províncias de Luanda, Kwanza-Norte e Malange, cujo acto foi presenciado por membros da direcção dos Caminhos-de-Ferro de Luanda e membros do Executivo.
Henrique Júnior disse na ocasião que o comboio traz o desenvolvimento, o progresso, e facilita a reconstrução do Kwanza-Norte, pelo facto de muito material para as obras ser transportado nos vagões, com mais rapidez e a preços mais baixos.
Os custos das viagens de comboio vão ser mais baixos e os passageiros têm mais conforto e segurança. O governador afirmou que uma das preocupações da população é agora a reconstrução do ramal ferroviário do Golungo Alto, tendo em conta que vai servir os habitantes dos municípios situados ao norte da província.
Henrique Júnior disse que em 2012 a província vai receber aviões de médio porte, altura em que fica pronto o aeroporto de “Carianga” cuja pista tem uma extensão de 5,5 quilómetros.
 O soba do bairro Carreira de Tiro, em Ndalatando, Miguel Adão, frisou que a circulação do comboio vai facilitar a vida dos passageiros que se deslocam a Luanda e vai permitir a redução de mortes por acidentes de viação. Sublinhou a importância do comboio no transporte de combustíveis e que até agora era umas das maiores preocupações das comunas do Zenza do Itombe, Canhoca, Beira Alta e Luinha.
Joana André é de opinião que as viagens de comboio vão ser mais cómodas devido às condições das carruagens. “No comboio temos mais conforto do que nos táxis e autocarros que circulam ao longo da via de Luanda a Malange.
 
 Transporte rodoviário
 
A reportagem do Jornal de Angola apurou em Ndalatando que os taxistas que trabalham na via de Luanda para Ndalatando e Malange não temem a concorrência do comboio pelo facto deste ser mais lento. O taxista Manuel Compadre referiu que embora as viagens por comboio sejam mais baratas, “os táxis levam vantagem por serem mais rápidos, deixarem o passageiro à porta de casa e terem a possibilidade de fazer desconto”.
Manuel André fez a comparação com as várias frotas de autocarros que circulam na região e mesmo assim não tiram clientes aos táxis.
 A reabilitação da linha-férrea entre Luanda, Kwanza-Norte e Malange, num total de 424 quilómetros começou a 25 Fevereiro de 2005 e incluiu a reabilitação de 20 estações ao longo da via. A circulação definitiva começa a 13 de Janeiro de 2011. O primeiro comboio apitou na cidade de Ndalatando no ano de 1902.
Os taxistas estão confiantes de que o negócio vai correr bem.
“É mais um meio de circulação, mas há passageiros que sempre preferem circular de táxi, porque são mais rápidos, embora hajam uns tantos que não respeitam as regras de trânsito”, disse o taxista Manuel Alberto que, faz a rota Luanda/Dondo/Ndalatando/Malange, durante dez anos.

Tempo

Multimédia