Províncias

Governo da província intensifica acções e dá outra imagem à cidade de Ndalatando

Manuel Fontoura | Ndalatando

O governo provincial está engajado na requalificação dos jardins e espaços verdes da cidade de Ndalatando, com vista a garantir uma melhor imagem da capital.

As plantas existentes por todos os jardins da urbe dão uma outra imagem à cidade
Fotografia: Nilo Mateus

O governo provincial está engajado na requalificação dos jardins e espaços verdes da cidade de Ndalatando, com vista a garantir uma melhor imagem da capital.
A empreitada, enquadrada no Programa Nacional de Requalificação e Melhoria de Cidades e Vilas, visa resgatar o verde que ostentava nos anos 70 e 80, a ponto de ser conhecida como a “Cidade Jardim de Angola”.
Para concretizar este projecto de voltar a contar com os mesmos espaços verdes, plantas de qualidade e raríssimas em Angola, assim como a limpa e linda urbanização, a cidade está a conhecer, desde o ano passado, melhorias significativas em vários domínios.
Neste âmbito, Ndalatando assistiu à requalificação dos largos António Agostinho Neto e 1º de Maio, assim como todos os demais recantos verdes, o que pode devolver a mística de uma das cidades mais bem tratadas do país.
As plantas existentes por todos os jardins da urbe, com destaque para as acácias rubras, pinheiros e cedros, dão uma imagem encantadora à cidade.O munícipe Paulo Fernandes, morador da rua Tomás José Marques, parcela que recebeu uma nova colocação de asfalto, passeios, lancis e viu melhorados os canais de esgotos, acredita que as inundações e espaços lamacentos ficaram para a história.
Naquela altura, disse , as pessoas e veículos tinham dificuldade em circular, obrigados a caminhar por charcos e áreas lamacentas, um cenário que em nada agradava a popilação da cida Jradim.
A rede de iluminação pública, o novo sistema de captação, transporte e tratamento de água e a colocação de asfalto nas principais artérias da cidade de Ndalatando incluem-se também no Programa de Aumento e Melhoria de Serviços Sociais Básicos às Populações.

Tempo

Multimédia