Províncias

Governo do Kwanza-Norte aposta nas infra-estruturas

O governo da província do Kwanza-Norte tem apostado na melhoria das infra-estruturas hospitalares, permitindo atendimento eficaz ao público e no combate às grandes endemias.

As obras de reabilitação do hospital de Kiculungo e do Golungo Alto estão concluídas
Fotografia: Nilo Mateus

O governo da província do Kwanza-Norte tem apostado na melhoria das infra-estruturas hospitalares, permitindo atendimento eficaz ao público e no combate às grandes endemias.
Deste modo, dos 4,2 mil milhões de Kwanzas destinados à província este ano, mais de  620 milhões  estão virados para o sector da Saúde.
Ao referir-se sobre o Programa de Investimento Público, o director do gabinete de estudos planeamento e estatística na província, Gonçalo Ribeiro, disse que para o sector da Saúde foi programada a construção da maternidade provincial, cujo projecto está praticamente concluído.
Avaliada em  392 milhões de Kwanzas a maternidade aguarda apenas pelo seu apetrechamento, que ronda aos três milhões de dólares.
Neste âmbito, referiu, estão já concluídos os projectos de reabilitação do hospital do Kiculungo e do Golungo Alto, que aguardam, igualmente, pelo seu apetrechamento.  Estão igualmente em construção dois centros de saúde no Golungo Alto e Beira Alta, enquanto o Dange-ya-Menha tem o seu início previsto para o mês de Dezembro, do ano em curso.
No prosseguimento, informou que o processo de recuperação e apetrechamento de infra-estruturas hospitalares permitiu atingir 105 unidades sanitárias e a melhoria de outros indicadores de saúde.
A entrada em funcionamento desta novas unidades sanitárias, associadas ao aumento de cerca de 35 médicos e 194 enfermeiros vai permitir o alargamento do atendimento à população, o que proporcionará o acréscimo das consultas externas, melhoria no atendimento nos serviços de urgência, aumento das intervenções cirúrgicas e outras especialidades.
Desta feita, prosseguiu, poderá registar-se a diminuição de número de casos e principalmente o decréscimo da taxa de mortalidade.
Neste sentido, frisou, denota-se satisfatoriamente a redução de alguns indicadores tais como a relação média de habitantes por cama hospitalar que de 995 baixou para 452.
Diminuiu igualmente a relação de habitantes por médico que era de 14.286, passando para seis mil 349, representando um decréscimo acima dos 50 por cento.  Já o programa de combate ao HIV/Sida, informou que o mesmo tem ajudado no não agravamento e mantêm a taxa de prevalência em níveis muito baixos.
Para o efeito, deu a conhecer que o governo tem apoiado financeiramente as diferentes associações juvenis que trabalham em torno da consciencialização das populações, sobretudo dos jovens.
Actualmente, disse que está em curso o programa de combate a malária e o curso de formação de agentes comunitários no meio rural, projectos encarados de extrema importância, uma vez que irá contribuir para a diminuição de doenças como a Malária, HIV, doenças diarreicas, entre outras.
Na ocasião, destacou que o governo da província tem encargos financeiros assumidos para a criação de condições de alojamento, transporte e alimentação dos médicos de nacionalidade cubana em serviço no Kwanza-Norte, bem como os estímulos atribuídos aos quadros angolanos.

Tempo

Multimédia