Províncias

Governo investe forte na agricultura empresarial

Manuel Fontoura | Ndalatando

O Governo Provincial do Cuanza Norte realiza nos próximos tempos várias acções com vista a desenvolver a agricultura empresarial competitiva e alcançar um sector agro-industrial forte sobre o corredor ferroviário do Dondo e de Malanje.

Com a aplicação do programa de desenvolvimento da província a produção agrícola vai conhecer avanços significativos na região
Fotografia: Nilo Mateus|Ndalatando

Estas acções constam entre as grandes metas para o desenvolvimento de especialização produtiva do Cuanza Norte, em que se dá igualmente uma atenção especial à exploração das potencialidades florestais.
A região é um grande centro produtor de electricidade e pode favorecer a instalação de indústrias intensivas em energia e valorização da posição do eixo Dondo/Ndalatando/Lucala nas ligações norte-sul e este-oeste do país, refere o programa.
As acções, adianta o programa, são uma orientação superior, dentro da qual o Governo Provincial deve delinear as melhores políticas para atingir os fins preconizados, através dos investimentos públicos e pelo incentivo às iniciativas privadas.
As orientações gerais e os objectivos definidos no Plano Nacional de Desenvolvimento 2013-2017 levam o Governo do Cuanza Norte a estabelecer o aumento da participação do Produto Interno Bruto (PIB), quer da província, quer nacional, de modo a reduzir as disparidades territoriais e se gerem excedentes económicos, para melhorar os padrões de vida da população.
O projecto também prevê a melhoria da repartição do rendimento pela via do emprego em actividades de maior intensidade de trabalho, além do apoio merecido e específico à agricultura e actividades agro-industriais que ajudem a sua estruturação e desenvolvimento, sem esquecer o sector da energia e água. O alcance deste objectivo depende dos investimentos de iniciativa central, no contexto da estratégia nacional de desenvolvimento do sector energético do país.
No entanto, grande parte dos seus efeitos directos e mais ou menos imediatos são sentidos pelo tecido produtivo e pela população da província.
Os objectivos enunciados prevêem igualmente as metas que se configuram no aumento da participação relativa do PIB provincial no PIB nacional, para 0,885 por cento, em 2013, e 2,25 por cento, dentro de três anos, o que equivale a uma média de 1,5 por cento no período.
O referido plano espelha que aparentemente pode ser visto como muito ambicioso, tendo por base as projecções nacionais constantes do Plano Nacional de Desenvolvimento para os anos 2013-2017, correspondendo a um PIB provincial de cerca de 407 mil milhões de kwanzas.
Os efeitos globais da construção da barragem de Laúca, da segunda central de Cambambe e dos sistemas de transporte associados à barragem de Caculo Cabaça, num valor total de cerca de 670 mil milhões de kwanzas, podem ser muito positivos, passando a ser possível implementar e desenvolver os sectores da energia e da água.
Estes investimentos, a serem realizados pela representação do Ministério da Energia e Água do Cuanza Norte, representam 77,3 por cento dos investimentos totais centrais com incidência local.
Este programa de investimentos públicos é ainda capaz de retirar a região do seu subdesenvolvimento e permitir melhorar o nível de vida dos cidadãos, refere o documento, que avança que se pretende implementar a carteira de projectos a uma cadência média anual de 20 por cento do total e diminuir a taxa de desemprego para uma média de dez por cento entre 2013 e 2017, viabilizando-se, assim, uma maior participação das receitas do trabalho no rendimento nacional.

Projectos estruturantes

O Plano Nacional de Desenvolvimento 2013-2017 contempla um total de 390 projectos estruturantes em todo o país, equivalendo a um investimento público de cerca de 607 mil milhões de kwanzas.
A despesa pública de desenvolvimento durante o período do plano vai alcançar cerca de 250 mil milhões de kwanzas, compreendendo 81 por cento das despesas de subordinação central e 19 por cento das despesas de subordinação provincial, incluindo as de subordinação municipal, e cerca de 0,3 por cento dos gastos com o apoio ao desenvolvimento. A despesa de apoio ao desenvolvimento da província corresponde, em média, a 0,7 por cento da despesa de apoio ao desenvolvimento a nível nacional.
Da totalidade de projectos, seis, correspondentes a quase 80 por cento do investimento, referem-se a intervenções em sectores prioritários, com destaque para a Energia e Água e, em especial, a construção da segunda central hidroeléctrica de Cambambe, empreendimento que vai fornecer a zona norte e o centro de Angola.
Os trabalhos de reabilitação de uma estrada e de três outros projectos, no âmbito dos sectores da alimentação e agro-indústria, incluindo o Plano de Desenvolvimento de Camabatela, com a construção do seu matadouro industrial, são outras acções em vista. Outros investimentos estão ainda previstos nos sectores da Geologia, Minas e Indústria, com destaque para a reabilitação e modernização de uma fábrica de tecidos no Dondo, a construção do pólo de desenvolvimento industrial de Lucala e o projecto minero-siderúrgico de ferro e manganês de Cassala Quitungo, em Cambambe, de iniciativa privada. O programa considera que se trata de projectos importantes e que podem desencadear efeitos relevantes sobre algumas variáveis económicas e sociais, mas insuficientes para que a província se aproxime das metas atrás definidas e consiga, de uma forma consequente e sustentável, fazer parte do conjunto das regiões mais dinâmicas e ricas do país.

Tempo

Multimédia