Províncias

Governo prepara um plano especial para alto nível de produção agrícola

André Brandão | Ndalatando

O vice-governador do Kwanza-Norte para o sector económico e social, Manuel de Abreu Pereira da Silva, disse que é necessário acabar com a importação de produtos, tendo em conta o potencial agrícola que o país possui, em particular a província.

Os participantes ao encontro analisaram entre outros aspectos a elaboração do projecto executivo com intervenção do sector público e privado
Fotografia: André Brandão

O vice-governador do Kwanza-Norte para o sector económico e social, Manuel de Abreu Pereira da Silva, disse que é necessário acabar com a importação de produtos, tendo em conta o potencial agrícola que o país possui, em particular a província.
Manuel de Abreu Pereira da Silva, que falava no enceramento do primeiro Conselho Técnico Consultivo da Cooperativa Pecuária do Planalto de Camabatela, afirmou que o Governo Provincial está a desenvolver esforços para que a província inverta, de forma radical, o gráfico de importações de bens alimentares.
Com a concretização dos projectos especiais, disse, é possível garantir a exportação de excedentes. E acrescentou que os objectivos do programa de desenvolvimento agro-pecuário do planalto de Camabatela consistem na melhoria das condições de vida das populações, através do aumento do rendimento disponível e no aproveitamento de oportunidades de investimento no sector produtivo.
Manuel Silva esclareceu que o planalto de Camabatela, com um território de 2.000 quilómetros quadrados, abrange parte das províncias de Kwanza-Norte, Malange, Uíge e tem uma altitude que varia entre 1.200 e 2.000 metros. É tida como uma área propícia para actividade agro-pecuária e para a implantação de indústrias alimentares.
A dinamização e revitalização da agro-pecuária na região de Camabatela, disse o  vice-governador, deve ser antecedida da actualização, conclusão e localização das terras já atribuídas ou em fase de atribuição e complementada com a demarcação rigorosa dos perímetros das terras comunitárias e da sua protecção.
Reafirmou que os projectos para o planalto de Camabatela permitem pôr em prática políticas de emprego, redução da pobreza e melhoria das condições de vida das populações. O programa de desenvolvimento do planalto de Camabatela é uma importante ferramenta para promoção do desenvolvimento regional na vertente económica e social pela oferta de emprego às populações, considerou Manuel Silva.
O Estado vai assegurar os pressupostos jurídicos, organizacionais e as infra-estruturas necessárias para garantir a sustentabilidade do programa. Por essa razão, conta com a participação do sector privado, incluindo parcerias públicas e privadas.
Manuel Silva revelou que vai ser prestada mais atenção às doenças frequentes na região, o seu combate através do diagnóstico precoce, campanhas de vacinação e tratamento. Anunciou a criação de associações, comités de aldeia e comissões dedicadas ao combate à mosca do sono.
O Conselho Técnico Consultivo abordou ainda temas como a identificação e diagnóstico das fazendas do planalto de Camabatela, o relatório preliminar e a estratégia a ser seguida na reabilitação de infra-estruturas e financiamento das explorações pecuárias.
Um dos aspectos que também mereceu a atenção tem a ver com delimitação da reserva fundiária para fins agrários do planalto de Camabatela, concertação com os órgãos do poder local sobre os investimentos em infra-estruturas económicas e sociais nos 12 municípios do planalto, a execução do plano de acção mediante a elaboração dos projectos executivos com intervenção do sector público e do sector privado.

Cooperação com institutos

A Cooperativa Pecuária do Planalto de Camabatela reiterou a necessidade de se estabelecer uma parceria estratégica com os institutos médios agrários, sedeados no perímetro do planalto de Camabatela, para acompanhar e possibilitar a inserção no mercado de trabalho dos estudantes recém-formados.
No encontro ficou patente a falta de condições de financiamento ao investimento agro-pecuária, através do Banco de Desenvolvimento de Angola (BDA), pelo que há necessidade de efectuar estudos dos solos, com a intervenção do Estado, de modo a permitir o progresso harmonioso do sector agro-pecuário no planalto de Camabatela.

Abastecimento de combustíveis

Os participantes no concelho concluíram que a direcção da Cooperativa Pecuária do Planalto de Camabatela, em conjunto com a Sonangol, deve estudar vias que facilitem o abastecimento de combustíveis às fazendas já identificadas e em actividade.
As  Administrações Municipais, no quadro dos programas integrados, sobretudo os destinados à luta contra a fome e a pobreza, são chamadas a apoiar os empresários locais.
As dificuldades de construção por ausência de conhecimentos, baixa capacidade de gestão e aproveitamento, as principais estradas por reabilitar, dificuldades de aquisição de materiais e a inexistência de assistência técnica são outras preocupações da Cooperativa Pecuária do Planalto de Camabatela.
A reunião contou com a presença do vice-governador para o sector económico de Malange, membros da direcção da Cooperativa Pecuária do Planalto de Camabatela e do Ministério da Agricultura e Desenvolvimento Rural e Pescas, agricultores, bancários, membros do Governo Provincial, sobas e outros convidados.

Tempo

Multimédia