Províncias

Hospitais da cidade estão em prontidão

Manuel Fontoura | Ndalatando

O governador do Cuanza Norte, José Maria, considerou positivo o trabalho desenvolvido pelos profissionais de saúde nas principais unidades sanitárias do município do Cazengo.

Director provincial da Saúde tranqulizou a população e garantiu a existência de fármacos e de sangue suficiente para dar resposta às ocorrências
Fotografia: João Gomes

José Maria quis inteirar-se do grau de prontidão do pessoal hospitalar no período da quadra festiva, caso se registem situações de emergência.
O governador provincial visitou o Hospital Central de Ndalatando, o Hospital Materno-Infantil, o Centro de Saúde do Bairro Sassa e o Hospital Municipal do Cazengo.
José Maria recebeu explicações sobre o funcionamento das unidades sanitárias e das dificuldades que os profissionais enfrentam no seu dia-a-dia para desempenhar a sua actividade. O director provincial da Saúde, Domingos Quiala, garantiu estarem criadas condições nas unidades sanitárias para receberem pacientes durante a quadra festiva, além de ter sido criada uma comissão específica.
Domingos Quiala disse que outra preocupação prende-se com a gestão dos medicamentos e meios sanitários. “Diariamente, vamos supervisionar as unidades sanitárias para que se preste uma assistência mais eficaz. Portanto, estamos a trabalhar e esperamos intervir em todas as frentes”, precisou.
Com vista a uma melhor articulação e divisão de tarefas, Domingos Quiala disse que foram realizadas reuniões com os profissionais de saúde, que garantiram dar o seu máximo no exercício das tarefas.
“Rebatemos a questão da humanização e do atendimento adequado aos cidadãos que procuram os serviços de saúde, desde a entrada até ao internamento, passando pelo banco de urgência, laboratório e hemoterapia”, explicou.
O director provincial da Saúde tranquilizou a população, garantindo a existência de fármacos e sangue suficiente para dar resposta às ocorrência que eventualmente se venham a registar.
Apesar disso, o responsável exortou a população a dar sangue, porque durante a quadra festiva as unidades sanitárias têm registado rupturas no abastecimento.

Tempo

Multimédia