Províncias

INAC pede maior valorização do conceito de família

Kátia Ramos| Ndalatando

A directora nacional do Instituto Nacional da Criança, Ruth Madalena Maxinge, pediu na quinta-feira, em Ndalatando, aos pais, encarregados de educação e à sociedade em geral para valorizarem cada vez mais o conceito de família e assumirem as suas responsabilidade para com os filhos menores, de modo a despertarem uma educação sã e harmoniosa na sociedade.

A directora nacional do Instituto Nacional da Criança, Ruth Madalena Maxinge, pediu na quinta-feira, em Ndalatando, aos pais, encarregados de educação e à sociedade em geral para valorizarem cada vez mais o conceito de família e assumirem as suas responsabilidade para com os filhos menores, de modo a despertarem uma educação sã e harmoniosa na sociedade.
Ruth Mixinge, que falava no encontro sobre a Rede Provincial de Protecção e Promoção dos Direitos da Criança, realizado na sala de conferências do governo do Kwanza-Norte, disse que a criança é a maior alegria e a mais importante expressão duma nação, tendo considerado que a família é mais feliz quando vê os filhos a crescer com harmonia e tranquilidade espiritual, pelo que as crianças devem sentir-se orgulhosas dos pais que têm.
Sublinhou que as crianças são as primeiras e principais activistas dos direitos humanos, pelo que devem obedecer às orientações dos pais, com respeito e solidariedade para com o próximo, assim como serem capazes de contribuir para a paz no seio onde vivem e estudam, recordando que todas as crianças têm os mesmos direitos e deveres e merecem o melhor tratamento e carinho.  O vice-governador para a área económica e social, Manuel Parreira da Silva, disse, ao preceder à abertura do encontro, reconhecer que o INAC desempenha um papel importante na promoção e protecção dos direitos da criança por tudo quanto fez e continua a fazer para o bem-estar dos petizes.
Frisou que o governo provincial de Kwanza-Norte, em colaboração com o Instituto Nacional da Criança, tem levado a cabo um conjunto de acções que visam fundamentalmente a defesa dos direitos da criança, acrescentando que este encontro demonstra que têm sido desenvolvidos esforços no sentido de, em comum, se encontrarem as melhores soluções e mecanismos destinados a dar à criança aquilo que ela merece.
Manuel Parreira da Silva disse também que o governo local pretende que o INAC seja, cada vez mais, um instrumento de defesa dos direitos da criança, para que se sinta cada vez mais a sua acção. Para ele, as universidades devem integrar mais quadros para que haja no INAC mais formados sobre a matéria e colaboradores a nível da província.
O evento contou com a presença de membros da rede local de protecção e promoção dos direitos da criança, directores de órgãos públicos do governo da província, autoridades tradicionais e religiosas.

Tempo

Multimédia