Províncias

Incentivado uso das línguas nacionais

Marcelo Manuel| Cambambe

Jovens da província do Cuanza Norte foram incentivados a dar maior valorização às línguas locais e regionais e a promovê-las cada vez mais, através do seu uso regular.

Jovens devem valorizar as línguas locais
Fotografia: Nilo Mateus

 O desafio foi lançado sexta-feira em Cambambe pelo director do Instituto Nacional de Línguas Nacionais.
José Pedro referiu que as autoridades governamentais estão a fazer um esforço para que as línguas nacionais sejam mais valorizadas, daí estarem a trabalhar no sentido da sua inserção de forma paulatina no sistema normal de ensino, após longos anos de estudos da essência gramatical das mesmas.
Durante muito tempo as línguas angolanas foram consideradas instrumentos da tradição oral, situação que aos poucos está a ser invertida, devido à inserção de seis delas no sistema de ensino, com destaque para o kimbundo, kicongo, umbundo, fiote, cokwe e kwanhama.
Avançou que em estudo estão nganguela, herero e outras, que a seu tempo são inseridas nas comunidades académicas.
O também docente universitário adiantou que o projecto de valorização das línguas nacionais surge na sequência da multiplicidade linguística de Angola, tida como fundamental para o desenvolvimento da nação.
A materialização deste objectivo consegue-se desde que as línguas nacionais possuam um padrão e exista coordenação científica para a sua aprendizagem.
Para o uso das línguas nacionais nas academias e como meio social e familiar, já estão disponíveis no mercado dicionários, gramáticas e léxicos temáticos escritos com tradução portuguesa ligados aos vários domínios da vida pública, principalmente a questões ligadas aos sectores da saúde, agricultura, administração pública, bem como à matemática e expressões culturais.
Para o linguista, a melhor forma de preservar uma língua é a utilização da mesma. Caso contrário, o idioma pode estar condenado ao desaparecimento.
As autoridades são exortadas a trabalhar no sentido das línguas nacionais serem usadas de forma equilibrada evitando a supremacia de umas contra as outras.
Para isso, são necessários incentivos para que as línguas sejam introduzidas de forma unânime nos ensinamentos religiosos e da Justiça, para que cada cidadão possa usá-las de forma sucessiva e com normalidade.
No âmbito da promoção das línguas nacionais, o responsável adiantou que o Instituto realizou no município de Cambambe uma palestra sobre a sua importância como veículo de comunicação no seio de diferentes comunidades locais e a nível internacional, durante a quinta edição da Feira do Dondo.

Tempo

Multimédia